Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1000
Título: A prescrição de medicamentos para utentes pensionistas abrangidos pelo regime especial de comparticipação de medicamentos numa farmácia rural e urbana de Portugal
Autor: Pereira, Rossana Mafalda Agostinho Mendes
Palavras-chave: Pensionistas - Comparticipação de medicamentos
Pensionistas - Medicamentos genéricos - Prescrição
Pensionistas - Medicamentos de marca - Prescrição
Data de Defesa: Out-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: O objectivo deste estudo consistiu na análise às prescrições de pensionistas abrangidos pelo regime especial de comparticipação de medicamentos numa farmácia comunitária rural e numa farmácia urbana de Portugal. Este estudo teve como finalidade conhecer o perfil das prescrições, verificar se ocorreu dispensa de medicamentos genéricos e comparar os custos entre os medicamentos de marca com os seus respectivos genéricos. Com o presente estudo também se pretendeu determinar quais as classes farmacoterapêuticas mais prescritas de forma a verificar-se quais as características de consumo de medicamentos nesta população. Através do estudo observacional transversal foram analisadas 200 prescrições da farmácia urbana e 200 prescrições da farmácia rural, das quais 37 correspondiam a prescrições oriundas do lar sendo, por isso, retiradas da amostra uma vez que podiam provocar vieses nos resultados, devido ao facto da população do lar possuir características particulares. Em ambas as farmácias verificou-se que havia uma maior prevalência das prescrições pertencerem a utentes do sexo feminino, de o próprio utente ser a pessoa que mais vezes vai comprar a medicação assim como as prescrições serem emitidas por médicos com especialidade em medicina geral e familiar. A maioria das prescrições era electrónica. Por sua vez encontraram-se diferenças substanciais entre as duas farmácias quando quem ia buscar a medicação era um familiar ou outra pessoa, quando a especialidade do médico era outra que não medicina geral e familiar e psiquiatria e quando o médico não referia a especialidade. No que respeitou à prescrição manual, à quantidade de medicamentos prescritos por prescrição assim como nas prescrições que estavam incorrectamente preenchidas para a autorização de genéricos, também se confirmaram divergências de valores na análise das duas farmácias. As diferenças também se destacaram quanto à dispensa de genéricos nas duas farmácias e nas prescrições que não se encontravam prescritas por denominação comum internacional (DCI). Verificou-se que nas duas farmácias o número de medicamentos não dispensados era semelhante. O custo das prescrições reduzia em 56,5% na farmácia rural e 61,4% na farmácia urbana quando se substituíam os medicamentos de marca por genéricos. Os 5 grupos farmacoterapêuticos mais prescritos foram iguais nas duas farmácias: Sistema Nervoso Central (26,1% na farmácia rural e 30,0% na farmácia urbana); Aparelho Cardiovascular (31,3% na farmácia rural e 26,9% na farmácia urbana); Aparelho Locomotor (7,7% na farmácia rural e 10,3% na farmácia urbana); Aparelho Digestivo (8,4% na farmácia rural e 7,0% na farmácia urbana) e Sangue (6,3% na farmácia rural e 5,1% na farmácia urbana). Através dos resultados obtidos tornou-se possível obter um conhecimento mais profundo desta população, perceber a influência do meio envolvente nas prescrições emitidas para este segmento da população, identificando e caracterizando as principais diferenças entre as farmácias do meio rural e do meio urbano.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1000
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese final.pdf2,48 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.