Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1003
Título: Alterações do sono e risco cardiovascular
Autor: Pereira, Cláudia Maria
Palavras-chave: Sono
Sono - Riscos cardiovasculares
Sono - Hipertensão arterial
Sono - Pressão arterial - Monitorização ambulatória
Apneia do sono
Data de Defesa: Mai-2009
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: Vários estudos mostraram uma associação entre a duração do sono e a hipertensão arterial, assim como com eventos cardiovasculares futuros. Pouco se sabe quanto à relação com a qualidade do sono. Assim, este estudo teve como objectivo estudar doentes hipertensos quanto à quantidade e qualidade do sono e avaliar se existiam alterações no padrão circadiano da pressão arterial (PA), avaliado através da Monitorização Ambulatória da Pressão Arterial (MAPA). Materiais e métodos: Inquiriram-se 78 indivíduos hipertensos, de forma a avaliar a qualidade e quantidade do sono. Desses analisou-se a MAPA, quando realizada nos dois anos anteriores (n=31). Para efectuar o tratamento estatístico recorreu-se ao SPSS 17.0® para Microsoft Windows®. Resultados: Numa amostra de 78 indivíduos hipertensos (61.54% do sexo feminino), com idade média de 59.1 anos, 76.9% apresentaram pelo menos uma patologia concomitante à hipertensão. Em média, reportaram 6.5 horas diárias de sono, com 53.8% dos indivíduos a referir menos de 7 horas. Quanto à qualidade do sono, 75.6% apresentaram uma classificação de “mau” sono. Dormir menos de 7 h diárias de sono associou-se a doença cardiovascular – DCV (p value=0.034; OR = 3.586, IC 95%: 1.050 – 12.247), com 31% vs 11.1% nos indivíduos que reportaram 7 ou mais horas por dia de sono. Pertencer ao sexo feminino ou ter pelo menos uma patologia concomitante associou-se a uma classificação qualitativa de “mau” sono, quando feita a comparação com a obtenção de “bom” sono, 67.8% vs 42.1% (p value=0.045; OR 2.9, IC 95%: 1.001 – 8.371) e 84.7% vs 52.6% (p value=0.007; OR=5, IC 95%: 1.589 – 15.74), respectivamente. A mesma associação observou-se, isoladamente, entre a DCV ou a depressão com “mau” sono, quando comparados com os que obtiveram “bom” sono, 28.8% vs 0% (p=0.004) e 35.6% vs 5.3% (p=0.011; OR =9.95, IC 95%: 1.239 – 79.85), respectivamente. Das 31 MAPAs analisadas 8 apresentavam um padrão circadiano da PA não dipper. Este padrão associou-se a menos de 7 horas diárias de sono (p=0.002), não existindo as mesmas diferenças quanto à qualidade de sono. Conclusão: Mais de metade dos indivíduos hipertensos dorme menos de 7 horas diárias e cerca de ¾ obtém classificação de “mau” sono. Dormir menos horas associa-se a um aumento da probabilidade de ter DCV, assim como obter uma classificação de “mau” sono ocorre com maior probabilidade no sexo feminino, indivíduos com DCV e depressão. Dormir menos também se associa a um padrão circadiano da PA não dipper.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1003
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
DissertaçãoMestrado_CláudiaPereira.pdf487,99 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.