Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1004
Título: Determinação dos teores de resveratrol em vinhos tintos com denominação de origem controlada Beira Interior e avaliação das suas propriedades antimicrobianas
Autor: Paulo, Luísa Alexandra Serrano
Orientador: Queiroz, João António de Sampaio Rodrigues
Domingues, Fernanda da Conceição
Gallardo Alba, Maria Eugenia
Palavras-chave: Resveratrol
Resveratrol - Vinho tinto
Resveratrol - Propriedades antimicrobianas
Urease
Helicobacter pylori
Data de Defesa: Mar-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Reconhece-se actualmente que o vinho tem propriedades benéficas no organismo humano, sendo constituído por compostos que exercem uma influência positiva no metabolismo dos indivíduos que o consomem com regularidade e moderação. O resveratrol (trans-3,4’,5-trihidroxiestilbeno) é uma fitoalexina que está presente em diversos alimentos e bebidas, em particular no vinho tinto. Das várias classes de polifenóis existentes no vinho, o resveratrol (estilbeno) é um dos compostos mais estudados do ponto de vista de importância biológica, devido aos potenciais efeitos benéficos para a saúde humana. Na primeira parte deste trabalho foi desenvolvido e validado um método analítico sensível, com vista a determinar, quantitativamente, as concentrações de resveratrol em amostras de vinhos tintos portugueses, utilizando a extracção em fase sólida (SPE) e a cromatografia líquida de alta eficiência acoplada a um detector de díodos (HPLC-DAD). Na segunda parte, foram implementadas técnicas, tais como, o método de difusão em disco e o método da microdiluição, que permitiram avaliar a actividade antimicrobiana do resveratrol em diversos microrganismos, nomeadamente bactérias Gram-positivas (Bacillus cereus, Staphylococcus aureus e Enterococcus faecalis) e Gram-negativas (Escherichia coli, Klebsiella pnemoniae, Salmonella typhimurium e Pseudomonas aeruginosa). O efeito do resveratrol em bactérias Gram-positivas foi também analisado, recorrendo-se às curvas de morte, de forma a tentar assim compreender se o resveratrol actua como um agente bactericida ou bacteriostático. Analisou-se, ainda, a acção do resveratrol em Bacillus cereus, recorrendo à microscopia e à citometria de fluxo, de forma a tentar compreender o mecanismo de acção deste composto. Finalmente, foi também avaliada a actividade antimicrobiana do resveratrol em diferentes estirpes de Helicobacter pylori, utilizando o método da difusão em disco e o método da diluição em agar. Para além disso, verificou-se a hipótese do resveratrol e amostras de vinho tinto (devidamente quantificadas na primeira parte deste trabalho) inibirem a actividade da urease de H. pylori, considerada um dos principais factores de virulência deste microrganismo. Complementou-se, ainda, o estudo analisando cineticamente a actividade da urease na presença do resveratrol. O método analítico foi validado de acordo com normas internacionalmente aceites quanto a: especificidade, linearidade, limites de detecção (LOD) e de quantificação (LOQ), precisão, exactidão, estabilidade e eficiência de extracção. Verificou-se ainda a aplicabilidade do método, analisando 186 amostras de vinhos tintos comerciais, provenientes de diferentes regiões, castas e anos. Os resultados obtidos demonstraram que os níveis de trans-resveratrol nos vinhos tintos, variaram entre 0,05 e 10,9 μg/mL, enquanto que as concentração de cis-resveratrol variaram entre 0,04 e 8,71 μg/mL. No que diz respeito à actividade antimicrobiana do resveratrol, verificou-se que este composto possui actividade contra todas as bactérias Gram-positivas em estudo. Os resultados demonstraram que o resveratrol tem um efeito bacteriostático que afecta o crescimento da célula bacteriana em todas as estirpes testadas. Quanto ao mecanismo de acção do resveratrol, os resultados obtidos sugerem que o crescimento celular do Bacillus cereus foi inibido, o que por sua vez terá levado à paragem da divisão celular. Na última parte deste trabalho, confirmou-se a actividade antibacteriana do resveratrol em diferentes estirpes de Helicobacter pylori. Para além disso, quer o resveratrol, quer os vinhos tintos analisados demonstraram um efeito inibitório na actividade da urease de Helicobacter pylori. A análise cinética revelou que o resveratrol é um inibidor da urease não competitivo e reversível. O presente trabalho contribuiu por um lado, para o melhor conhecimento do teor de resveratrol nos vinhos portugueses, e por outro demonstrou o potencial do resveratrol como agente antibacteriano, podendo no futuro ter potenciais aplicações tanto na conservação dos alimentos como na terapia clínica.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1004
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TeseDoutoramento Luísa Paulo.pdf6,74 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.