Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1082
Título: Síndrome de abstinência neonatal : um estudo retrospectivo : experiência profissionalizante na vertente de farmácia comunitária, hospitalar e investigação
Autor: Moreira, Marta Antunes
Palavras-chave: Síndrome de abstinência neonatal
Índice de Finnegan
Recém-nascido - Progenitora toxicodependente
Farmácia hospitalar
Farmácia comunitária
Data de Defesa: Jun-2012
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Um futuro farmacêutico, pelo seu nível de conhecimento técnico e científico, deve demonstrar ser capaz de se integrar em equipas multidisciplinares, com as quais interage, visando o bem-estar do utente. Neste âmbito, e atendendo à pluralidade de áreas em que o farmacêutico pode exercer, foi relevante a realização do estágio curricular em duas vertentes distintas. Se, na perspectiva hospitalar, foi possível um relacionamento com terapias farmacológicas exclusivas; o contacto directo com o utente na farmácia comunitária permitiu um acompanhamento continuado da sua evolução patológica. Em ambas, está inerente um constante desafio, no sentido de satisfazer as necessidades do doente, aliando o profissionalismo, à sensibilidade e rigor científico. O projecto de investigação conciliou o interesse por uma determinada temática, com a possibilidade de produzir inferências após análise de uma amostra e relacionando o estudo realizado com trabalhos publicados. A síndrome de abstinência neonatal é consequente do consumo abusivo de drogas pela progenitora, durante a gestação. Este quadro clínico foi avaliado nos recém-nascidos do Centro Hospitalar de Trás os Montes e Alto Douro, cujo processo clínico assim o descrevia. Embora com uma amostra de dimensão reduzida, foi possível determinar uma predominância no consumo de heroína (42%). Contudo, a adesão das mães a programas de reabilitação foi notável no segundo período do estudo (1,5 vezes superior). As opções terapêuticas consideradas demonstraram eficácia superior quando usada morfina (16%) como terapia de primeira linha, tanto ao nível do tempo que demorou a produzir efeitos favoráveis no neonato (8,14 dias), como no que respeita ao Índice de Finnegan (3,12) no momento da descontinuação.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1082
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatorio de Estágio_Marta Moreira_CF_21654.pdf2,62 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.