Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1100
Título: Leucoencefalopatia multifocal progressiva associada ao tratamento de esclerose múltipla com Natalizumab : a propósito de um caso clínico no Hospital Pêro da Covilhã
Autor: Ferreira, Bárbara Almada
Palavras-chave: Leucoencefalopatia
Leucoencefalopatia multifocal progressiva
Leucoencefalopatia multifocal progressiva - Esclerose múltipla
Esclerose múltipla - Natalizumab - Uso terapêutico
Data de Defesa: Mai-2012
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: A Leucoencefalopatia Multifocal Progressiva (LMP) foi considerada uma doença desmielinizante rara até o advento da pandemia do VIH/SIDA. A LMP é causada pela reativação do polyomavirus JC. O interesse recente pela doença tem sido estimulado pelo seu surgimento em pacientes tratados com o anticorpo monoclonal natalizumab. O natalizumab (TYSABRI) é um antagonista específico da integrina α4, aprovado como segunda linha de tratamento nas formas recidivantes de Esclerose Múltipla (EM) que não respondem à terapia com interferão, ou como tratamento de primeira linha nos doentes com doença recidivante muito ativa. O diagnóstico é geralmente sugerido pela imagiologia e confirmado pela pesquisa de ADN (ácido desoxirribonucleico) do vírus JC através da reação em cadeia da polimerase (PCR, do inglês polymerase chain reaction). O tratamento dirigido contra o vírus JC é inútil, e a menos que o défice imunitário subjacente seja revertido, a LMP tem uma progressão rapidamente fatal. Esta revisão concentra-se nos dados disponíveis acerca da LMP associada ao uso de natalizumab em pacientes com esclerose múltipla. É também descrito um caso de LMP numa doente com esclerose múltipla. Os primeiros sintomas da doença surgiram cerca de 27 meses após o início da terapia com natalizumab. A ressonância magnética (RM) mostrou lesões de LMP, e a PCR para ADN viral no líquido cefalorraquidiano (LCR) foi positiva. Foi usada plasmaferese para acelerar a remoção do natalizumab da circulação. Alguns dias após a plasmaferese surgiu a síndrome inflamatória de reconstituição imune.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1100
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
LMP associada ao tratamento de EM com Natalizumab.pdf1,9 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.