Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1207
Título: Estereótipos sobre idosos : representação social em profissionais que trabalham com a terceira idade
Autor: Neves, Carolina Filipa Ornelas
Palavras-chave: Idosos - Estereótipos
Envelhecimento - Representações sociais
Envelhecimento - Aspectos sociais
Idosos - Institucionalização
Idosos - Profissionais cuidadores
Data de Defesa: Out-2012
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: Têm surgido diversas abordagens sobre o processo de envelhecimento porém, independentemente dessas abordagens, as representações sociais sobre envelhecimento estão, na sua maioria, conotadas por atribuições negativas. Nestas, o idoso surge associado a adjetivos como frágil, dependente, pobre, assexuado, infantil, esquecido e associado a doença, senilidade, demência, pobreza, fealdade e a outras ideias estereotipadas. Nesta perspetiva, torna-se fundamental conhecer quais as atitudes e conhecimentos que os profissionais que trabalham no dia-a-dia com idosos, adotam, de modo a perceber se os estereótipos que a sociedade possui em relação à velhice se refletem, ou não, na prestação de serviços. Objetivo: O objetivo deste trabalho é conhecer as atitudes e conhecimentos dos profissionais que trabalham com idosos, bem como identificar variáveis associadas. Metodologia: Trata-se de um estudo descritivo, transversal e de natureza quantitativa que utilizou uma amostra por conveniência, constituída por 56 profissionais a trabalhar em Instituições para Idosos. O instrumento de recolha de dados integra um questionário sociodemográfico e profissional, o Questionário de Avaliação de Conhecimentos em relação à Velhice e a Escala de OP de Kogan – Atitudes face aos idosos. Para o tratamento estatístico foi utilizado o programa SPSS versão 17. Resultados: A população estudada é maioritariamente feminina, solteira, com uma média de idades de 31,8 anos e com licenciatura (77,2%). Verificou-se ainda que, a maioria dos profissionais não têm formação em gerontologia (80,7%), possuem fracos conhecimentos (57,1%) sobre os idosos e apresentam atitudes neutras face aos mesmos. Os dados revelam associações significativas entre o sexo e as atitudes dos profissionais face aos idosos nos fatores “Sentimentos Experienciados” e “Relações entre gerações”; entre o estado civil, tempo de serviço e o fator “Dependência”; entre a presença de idosos no agregado familiar e o fator “Sentimentos Experienciados”; entre os conhecimentos e as atitudes no fator “Outros Fatores”. Conclusão: As evidências encontradas neste estudo convidam-nos para a elaboração e reflexão sobre novas estratégias, que facilitem o desenho de programas de intervenção formativos e informativos, visando o aumento de formatação na área de gerontologia dos profissionais, promovendo e adoptando a incrementação de atitudes positivas destes relativamente aos idosos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1207
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa_Carolina.pdfCapa57,66 kBAdobe PDFVer/Abrir
Agradecimentos, resumo e indice.pdfAgradecimentos, resumo e índice165,84 kBAdobe PDFVer/Abrir
DissertaçaoCFONeves.pdfTese1,19 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.