Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1211
Título: Quedas em idosos institucionalizados
Autor: Mota, Ana Maria Mota
Palavras-chave: Idosos institucionalizados
Idosos institucionalizados - Quedas - Factores de risco
Idosos institucionalizados - Consequências
Data de Defesa: Out-2012
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: As quedas são um problema de saúde pública para a população idosa, afectando a autonomia, a mobilidade e por consequência a qualidade de vida dos idosos. Os idosos institucionalizados apresentam uma maior propensão às quedas não só pela mudança do ambiente que lhes era familiar para um ambiente alheio, mas também pela diminuição das actividades exercidas pelos próprios. Objectivo: Estudar os episódios de quedas e os seus factores de risco em idosos institucionalizados. Material e Métodos: Foi realizado um estudo descritivo transversal numa amostra de 109 idosos institucionalizados. A informação foi recolhida por meio de um questionário abordando questões sobre o historial de quedas e os factores de risco que possam influenciar as mesmas. Utilizou-se o teste “Timed Up and Go” que permite perceber o risco de queda a que um idoso está sujeito, mediante o tempo de execução do mesmo, ou seja, quanto maior o tempo, maior o risco de queda. O nível de Independência funcional foi avaliado pelo Índice de Barthel, definindo a dependência dos idosos em questão. Resultados: Os dados coletados foram analisados estatisticamente, obtendo-se as médias, mínimos, máximos e desvio padrão. Cerca de 63% dos idosos apresentaram quedas nos últimos 12 meses, sendo que os homens apresentam uma percentagem de quedas de 69,7%. O teste de Mann-Whitney para o tempo de realização do teste “Time Up and Go”, demonstra que os idosos que caiem mais efectivamente gastam mais tempo na realização do mesmo (p=0.014). Conclusão: Os locais mais frequentes de ocorrência de quedas são o quarto e a casa de banho, sendo os factores de risco mais referidos as sensações de náuseas/tonturas, e desequilíbrios, auxiliares de marcha e o calçado. As lesões mais frequentes foram do tipo leves (hematoma) e graves (fractura do fémur). O medo de cair é uma das consequências que provoca mais limitações, e os idosos analisados comprovam-no com uma percentagem 93% de medo de cair novamente.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1211
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_Quedas em Idosos Institucionalizados.pdf1,8 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.