Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1305
Título: Fontes de informação : estudo de caso nos media da Beira Interior
Autor: Correia, Ana Patrícia
Palavras-chave: Blogue - Jornalismo - Portugal
Internet - Jornalismo
Web 2.0
Medias sociais - Fonte de informação
Redes sociais
Jornalismo regional - Fontes de informação
Data de Defesa: Out-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Actualmente, vivemos numa sociedade que se caracteriza pela importância crescente da Internet e dos novos media. A hiperbolização e o excesso de informação que circula nas redes digitais lançaram novos desafios e transformaram o ecossistema mediático, ameaçando, por vezes, as rotinas e os conteúdos jornalísticos. O acesso universal à informação, a instantaneidade, a interactividade, o factor tempo e o multimédia, numa era de convergência, afectaram as metamorfoses que o jornalismo viveu e continua a viver nos últimos tempos. No entanto, nem tudo se transmutou. A relevância das fontes para o jornalismo preserva-se imutável e essencial nesta taxonomia. A partir de conceitos como o gatekeeper, Web 2.0, Media Sociais e as fontes de informação, pretendemos problematizar e investigar o conhecimento sobre a especificidade dos media regionais. O objectivo é perceber as principais tendências da prática do jornalismo regional enquanto plataforma de enunciação, especialmente na interacção fontes-jornalistas, nesta relação do agente de comunicação com as novas ferramentas de informação como os motores de busca, mailing list, newsgroups, chatgroups, email, blogues, redes sociais e microblogues. Interessa-nos, ainda, entender até que ponto os conteúdos partilhados na Web são verosímeis, fiáveis e consistentes. A crescente utilização da Internet e o excesso de informação impõe aos jornalistas novos desafios e regras éticas e deontológicas, que terão de ser reequacionadas e adaptadas às novas fontes de informação. Nesse sentido, o presente trabalho de investigação divide-se em cinco capítulos. No capítulo 1 é feita uma contextualização histórica da Internet, partindo da primeira ligação de dois computadores à distância num contexto de desenvolvimento tecnológico estritamente militar até à actual massificação do meio. No Capítulo 2 são evidenciadas as regras das relações entre o jornalista e as fontes tradicionais. E são identificadas as diferentes formas de determinar o que é considerado notícia de acordo com a interpretação do que é o interesse público, apontando conceitos como o gatewatching. Abordamos ainda a fonte de informação e as suas características, bem como o interesse na promoção e divulgação de certos factos por parte de pessoas e instituições que assim recorrem ou colaboram com o jornalista no sentido de divulgar um facto, uma informação ou um acontecimento. No Capítulo 3, centrámo-nos na Web 2.0 e nos Media Sociais. Procurámos explicitar o desenvolvimento de novos meios de criação colectiva de conteúdos e as novas dinâmicas informativas em rede, dos blogues e microblogues, dos motores de busca e das redes sociais enquanto fontes jornalísticas. Como o principal alvo do estudo são as redes sociais e o microblogging enquanto fontes, produzimos um enquadramento nacional e, um mais restrito, respeitante ao jornalismo. No Capítulo 4, pretendemos demonstrar a relação dos media sociais enquanto fontes jornalísticas. Com base em alguns estudos revelamos que os blogues, as redes sociais e o microblogging são ferramentas tendencialmente utilizadas pelos jornalistas para publicar, promover e distribuir notícias. Na segunda parte, que corresponde aos Capítulos 5 e 6, incluímos as questões que guiaram a investigação, os fundamentos que nos levaram a esta análise, e a argumentação teórica relativa aos instrumentos de recolha de dados e às técnicas de análise de dados. Dada a importância desta reflexão sobre as novas fontes jornalísticas, desenvolvemos este estudo que procura responder às seguintes questões: As novas fontes, como as redes sociais e/ou os blogues, estão a substituir as fontes tradicionais usadas pelos jornalistas da Beira Interior? Que credibilidade têm estas fontes juntos dos jornalistas e de que forma são utilizadas? Os profissionais da comunicação social regional utilizam as redes sociais? Com que regularidade? Para partilha de conteúdos? Ou para procurar informação? Os jornalistas utilizam os blogues como fontes de informação? Quais são os principais tipos de fontes de informação que utilizam os jornalistas? Como é que procedem quando se deparam com uma temática interessante, numa rede social, para um trabalho jornalístico? A Internet substitui as fontes de informação tradicionais? Neste capítulo abordamos ainda o procedimento metodológico seguido da recolha, tratamento e análise de dados. Entender o modo como os jornalistas dos meios de comunicação social da Beira Interior, que inclui os distritos da Guarda e Castelo Branco, utilizam de forma específica as novas ferramentas da Internet na sua prática profissional, especialmente no contacto com as fontes de informação, é o principal objectivo do estudo. Na parte relativa à discussão de resultados, procedemos à análise dos mesmos e procuramos dar resposta às questões que guiaram a investigação. As conclusões demonstram que a maioria dos jornalistas utiliza frequentemente as novas fontes 2.0 e privilegia esta ferramenta enquanto fonte de informação. Apesar disso, as fontes de informação tradicionais continuam a ser muito utilizadas pelos jornalistas, destacando-se claramente, os contactos pessoais. Quanto às fontes de informação 2.0 utilizadas pelos jornalistas destaca-se a utilização das redes sociais, que são apontadas por um terço dos inquiridos como sendo utilizadas com alguma frequência.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1305
Aparece nas colecções:FAL - DCA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese_Ana_final6.docx3,73 MBMicrosoft Word XMLVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.