Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1399
Título: Cannabis e doença mental
Autor: Cruz, Ana Luísa Mayer Rodrigues Vera
Palavras-chave: Cannabis - Doença mental
Doenças psicóticas - Consumo de cannabis
Saúde mental - Dependência de substâncias
Data de Defesa: Mai-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: A Cannabis é a droga ilícita mais usada em todo o mundo. Desde o princípio dos anos 90 a idade de início de consumo tem vindo a decrescer e a prevalência ao longo da vida aumentou na maioria dos países desenvolvidos. Sabe-se que a prevalência do seu consumo é elevada entre os doentes psiquiátricos, o que está associado a um pior prognóstico, com maior resistência à medicação, maior intensidade de sintomas, maiores taxas de recorrência e maior número de hospitalizações. Tem sido estudada a relação entre o abuso de Cannabis e doenças específicas, como as doenças psicóticas, em particular a esquizofrenia, os transtornos do humor, como a doença bipolar e a depressão, a ansiedade, a agressividade, a síndrome amotivacional e também a relação com o abuso de outras substâncias. Objectivos: O principal objectivo deste estudo é caracterizar, a nível de patologia mental, um subgrupo de consumidores de Cannabis que tiveram necessidade de internamento. Metodologia: Foram incluídos no estudo todos os doentes internados no Departamento de Psiquiatria e Saúde Mental da ULS da Guarda entre Janeiro de 2007 e Dezembro de 2012 com o diagnóstico de abuso ou dependência de Cannabis. Resultados: A média de idade de início de consumo foi de 16,1 anos. O tempo decorrido entre o início do consumo e o primeiro episódio de internamento foi em média de 8,9 anos. Encontrou-se uma relação fraca entre a idade de início do consumo e o tempo decorrido até ao primeiro episódio de internamento (r=0,249; p=0,411). Observou-se que os sintomas mais prevalentes foram ideação delirante, humor deprimido, insónia e actividade alucinatória. O diagnóstico mais frequente foi o de esquizofrenia paranóide (30,6%) seguindo-se a psicose induzida por Cannabis (25%) e a depressão (16,7%). Em 44,4% dos indivíduos foi-lhes diagnosticado ao longo da vida o abuso/dependência de outras substâncias, sendo a mais prevalente os opiáceos. Conclusões: Os indivíduos consumidores são na maioria jovens que se iniciaram no abuso de substâncias durante a adolescência, sendo que em muitos casos o início precoce do consumo condiciona patologia mental mais severa. As doenças psicóticas são as mais relacionadas com o consumo de Cannabis e existe uma associação forte com o consumo de outras substâncias.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1399
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Cannabis e Doença Mental - Dissertação de Mestrado - Ana Luísa Mayer Rodrigues Vera Cruz.pdf278,67 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.