Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1503
Título: Abordagem à vítima de trauma na fase pré-hospitalar : avaliação do papel das equipas de bombeiros
Autor: Verão, Pedro
Orientador: Santos, José Eduardo
Palavras-chave: Trauma
Trauma - Exame primário - Avaliação pré-hospitalar
Trauma - Equipas de socorro - Formação
Trauma - Equipas de socorro - Avaliação pré-hospitalar
Data de Defesa: Jun-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: O trauma continua a ser uma das principiais causas de morte. Em Portugal é a primeira causa de morte e incapacidade até aos 44 anos de idade. O socorro prestado às vítimas na fase do pré-hospitalar é efetuado por equipas multidisciplinares, tendo a equipa de socorro inicial um papel fundamental. Devido à possível complexidade das situações envolventes do trauma, podem ocorrer erros na abordagem inicial, por vezes relacionados com falhas na formação teórica e técnica da equipa de socorro. Estes podem estar associados com lesões potencialmente evitáveis, o que motiva a realização de uma avaliação focada na formação específica das equipas de socorro à vítima de trauma na fase pré-hospitalar. Em Portugal, os bombeiros são responsáveis por realizar cerca de 80% do socorro pré-hospitalar. Objetivos: Avaliar e comparar a formação teórica dos bombeiros, em termos qualitativos e quantitativos, relativamente à abordagem da vítima de trauma no socorro pré-hospitalar, nos distritos de Castelo Branco, Coimbra e Guarda. Método: Estudo transversal analítico referente ao ano de 2012, através da realização de um inquérito elaborado pelo investigador, aplicado aos 3 distritos, num total de 18 corporações, selecionados por conveniência. Foi realizado um questionário composto por quatro partes (Identificação; Competências curriculares; Conhecimentos específicos e Opinião individual). As questões para avaliação de conhecimentos foram elaboradas com base nos manuais de formação em vigor, procurando avaliar o nível de conhecimento dos procedimentos que, do ponto de vista médico, o socorrista deve possuir. Os critérios de avaliação possibilitaram o reconhecimento de conhecimentos mínimos. Resultados: Os dados dos 213 inquéritos indicam-nos que a maioria dos bombeiros não apresenta uma linha de raciocínio sequencial e lógico face ao exame primário. Se por um lado indicam a sequência correta designada por ABCDE, por outro, não indicam quais os objetivos da mesma e transmitem confusões entre os procedimentos a realizar. Apesar de demonstrarem que possuem conhecimentos teóricos, também nos levam a questionar se estes são aplicados corretamente em contexto real. A maioria dos inquiridos indica que a formação ministrada é suficiente e adequada, e que esta lhes proporciona segurança para atuarem num cenário de trauma. Ao mesmo tempo referem que a duração das formações deveria ser maior e com uma maior prevalência da componente prática. Conclusões: Os resultados obtidos demonstram que existem falhas na formação. De referir que nos distritos em estudo não existem diferenças significativas ao nível da formação teórica. Concluímos que é necessário aprofundar os conhecimentos teóricos e técnicos nesta área específica de uma forma contínua e adequada à realidade em que estes profissionais atuam.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1503
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese de Mestrado Pedro Verão.pdf833,8 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.