Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1513
Título: Estudo de correlação dos oncogenes BCL2 e MKI67 com o tipo histológico e a localização de 30 casos de adenocarcinoma colorretal
Autor: França, Diana Sofia Dos Santos
Palavras-chave: Adenocarcinoma colorretal
Adenocarcinoma colorretal - Aspectos histológicos
Cancro colorrectal
Bcl-2 (Proteína B-Cell Lymphoma 2)
KI-67 (Proteína Ki-67)
Data de Defesa: Mar-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: O cancro colorretal é o terceiro com maior incidência em Portugal e a sétima causa de óbito nos países desenvolvidos, sendo responsável por 3,3% de todas as mortes. Em 98,6% dos casos manifesta-se na forma de adenocarcinoma. Este trabalho enfoca o estudo da relação de duas proteínas que influenciam o ciclo e multiplicação celular (Bcl-2 e KI-67), com algumas caraterísticas anátomo-patológicas do adenocarcinoma colorretal cuja influência no prognóstico é conhecida (localização e tipo histológico). A proteína Bcl-2 é capaz de impedir a apoptose, permitindo a sobrevivência de células malignas e a progressão do crescimento tumoral. A KI-67 desempenha um papel na divisão celular, tendo sido usada como um marcador de proliferação. O seu mecanismo de ação ainda não foi totalmente esclarecido. Foram estudados 30 casos adenocarcinomas colorretais ressecados cirurgicamente no Centro Hospitalar Cova da Beira entre 2002 e 2005. Em cada peça foram realizadas técnicas de marcação imunohistoquímica para as proteínas Bcl-2 e KI-67. As amostras foram classificadas em adenocarcinoma bem, moderadamente ou pouco diferenciado, de acordo com a presença de padrão glandular; foi feito também um agrupamento segundo a percentagem de células positivas para imunomarcação (0, 25, 50, 75 ou 100%). Analisaram-se as variáveis utilizando testes de χ2 e de Cramer. Observou-se que 2 carcinomas (7%) localizavam-se no cólon ascendente, 1 (3%) no transverso, 6 (20%) no descendente, 10 (33%) no sigmoide e 11 (37%) no reto. Relativamente ao tipo histológico, 9 (30%) eram bem diferenciados, 17 (57%) moderadamente e 4 (13%) pouco. No que toca à marcação para Bcl-2, observaram-se 14 casos (47%) sem células positivas para esta proteína, 6 (20%) com 25% de células marcadas, 6 (20%) com 50%, 4 (13%) com 75% e 0 com 100%. Para a KI-67 observaram-se 13 casos (43%) com 0% de células marcadas, 5 (17%) com 25%, 4 (13%) com 50%, 6 (20%) com 75% e 2 (7%) com 100%. Não se encontrou correlação entre a marcação para Bcl-2 e localização (p=0,746) ou o tipo histológico dos tumores (p=0,657). Os resultados para a KI-67 foram similares, tendo-se obtido p=0,466 e p=0,933, respetivamente.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1513
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Diana França.pdf1,32 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.