Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1516
Título: Prática de exercício físico e níveis de atividade física habitual em doentes com diabetes tipo 2 : estudo piloto em Portugal
Autor: Mendes, Romeu Duarte Carneiro
Palavras-chave: Diabetes mellitus tipo 2 - Exercício físico
Diabetes mellitus tipo 2 - Actividade física
Diabetes mellitus tipo 2 - Prevenção do risco
Diabetes mellitus tipo 2 - Sedentarismo
Diabetes mellitus tipo 2 - Comportamentos de risco
Data de Defesa: Abr-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: A atividade física (AF) é considerada uma ferramenta terapêutica fundamental para atingir o controlo metabólico e reduzir o risco cardiovascular dos doentes com diabetes tipo 2. Este estudo tem por objetivo caracterizar a prática de exercício físico e os níveis de AF habitual de doentes com diabetes tipo 2 e analisar a influência da prática de exercício e de alguns fatores sociodemográficos como a idade, género, meio habitacional e situação profissional na AF habitual e nas suas componentes. Metodologia: Cento e um doentes com diabetes tipo 2 foram entrevistados (65.96 ± 9.34 anos de idade). Foram questionados quanto à prática de exercício regular e suas características, e os níveis de AF habitual foram avaliados através do International Physical Activity Questionnaire. Resultados: A prevalência de prática de exercício regular era de 40.59%. Apenas 2.44% dos praticantes referiram praticar uma combinação de exercício aeróbio e exercício resistido. Quanto à avaliação dos níveis de AF Habitual, 34.65% apresentavam um nível baixo, 43.56% apresentavam um nível moderado e 21.78% apresentavam um nível elevado. Não foram identificadas diferenças significativas na AF Habitual entre praticantes e não praticantes de exercício. Foi observada uma correlação negativa e significativa entre a Idade e a AF Habitual e entre a Idade e a AF Vida Diária. Foram identificadas diferenças significativas na AF Habitual entre habitantes do meio rural e habitantes do meio urbano e diferenças significativas na AF Habitual e na AF Vida Diária entre indivíduos profissionalmente ativos e não ativos. Conclusões: A prevalência de prática de exercício e os níveis de AF Habitual dos doentes com diabetes tipo 2 portugueses são claramente insuficientes. Praticar exercício não é sinónimo de ter uma AF Habitual minimamente saudável. O avançar da idade, habitar em meio urbano e perder a atividade profissional parecem ser fatores de risco para um estilo de vida sedentário e importantes alvos de intervenção.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1516
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese Mestrado Medicina Romeu Mendes 2013.pdf3,47 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.