Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1573
Título: Infeção congénita pelo citomegalovírus : avaliação do grau de conhecimento numa população de mães portuguesas
Autor: Sá, Nuno Miguel Gonçalves de
Palavras-chave: Farmácia comunitária - Gestão - Estágio pedagógico
Citomegalovírus
Citomegalovírus - Grau de conhecimento - Avaliação
Citomegalovírus - Grau de conhecimento - Mulheres - Portugal
Data de Defesa: Out-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Este trabalho, no qual descreve a minha experiência profissionalizante, encontra-se dividido em dois capítulos, o primeiro relativo ao estágio em farmácia comunitária e o segundo à vertente de investigação. Com o primeiro capítulo pretendeu-se abordar todas as áreas de funcionamento de uma farmácia assim como as responsabilidades de um profissional de saúde que é o farmacêutico. O estágio em farmácia comunitária decorreu na Farmácia de Apúlia entre 4 de fevereiro e 15 de junho do ano de 2013, com um período de 800 horas. Aqui proporcionou-se a experiência e ambientação a diversas funcionalidades existentes na farmácia, como a receção e aprovisionamento de encomendas, gestão, dispensa de medicamentos, medição e avaliação de parâmetros biológicos, aconselhamento, atendimento ao público e validação da prescrição médica. Findo o estágio concluiu-se que a Farmácia é uma área em constante evolução e que o farmacêutico é responsável pela conjugação e avaliação da prescrição médica constituindo um importante profissional de saúde ao qual a população recorre várias vezes. O citomegalovírus (CMV) é um vírus de ADN de cadeia dupla linear, pertencente à família herpesviridae. Este vírus constitui a principal causa de infeções congénitas afetando cerca de 0,2 a 2,5% de todos os nascimentos. Em Portugal estima-se que 77% da população esteja infetada com o CMV e que 18,5 a 25,5% das mulheres em idade fértil encontra-se em risco de adquirir a infeção primária pelo CMV. Este vírus pode ser prevenido com simples medidas de higiene, porém o conhecimento é essencial para o sucesso destas medidas. Vários são os estudos que referem que apenas uma pequena porção da população ouviu falar do CMV e que desta ainda menos são aqueles que verdadeiramente conhecem as sequelas e as formas de transmissão do vírus. Assim o trabalho de investigação abordado no segundo capítulo teve como principal objetivo avaliar o conhecimento das mulheres em idade fértil sobre o CMV. Para que tal fosse possível foram distribuídos 592 inquéritos a mães de crianças até 2 anos de idade, nos Hospitais da Luz, Braga, Covilhã, Amato Lusitano de Castelo Branco e no Centro de Saúde de Fão, entre janeiro e agosto de 2013. Das 588 mulheres que responderam ao inquérito cerca de metade (49,7%) afirmaram ter ouvido falar do CMV, mas apenas 36,2% reconheceram o citomegalovírus como um agente causador de malformações congénitas. Tendo em conta a formação académica verificamos que o conhecimento aumenta com o grau académico: 28% e 31,4% para mulheres com formação até ao 9º ano e do 9º ao 12º ano respetivamente, contra 62,3% de mulheres com formação superior já ouviram falar de CMV. O grau de conhecimento é ainda maior nos profissionais de saúde com 80,6% dos 72 profissionais de saúde que ouviram falar do CMV a reconhece-lo como agente de malformações congénitas. Quanto à forma de aquisição de conhecimentos, das mulheres que ouviram falar de CMV a maioria ouviu falar do vírus pelo obstetra (55,8% das inquiridas), seguido de revistas, livros e jornais (29,8%), através do médico de família (26%) e da internet (25,3%). Apesar do nível de conhecimento encontrado ser superior ao de outros estudos, ainda há um longo trabalho a percorrer, principalmente nas mulheres com grau de formação académica inferior. Não existindo medidas de prevenção farmacológicas nem tratamento aprovado, é controverso o grau de conhecimento que deve ser dado às grávidas. No entanto, estudos recentes demonstram que a adoção de medidas de higiene simples que evitem o contacto das mães com as secreções de crianças infetadas permite diminuir a taxa de transmissão do CMV. A adoção destas medidas só será eficaz se existir um correto conhecimento sobre o problema.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1573
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Experiência Profissionalizante na vertente de Farmácia Comunitária e Investigação_Nuno Sá.pdf2,5 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.