Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1595
Título: Estágio na Viva Imagens, Lda
Autor: Évora, Erinaldo
Palavras-chave: Audiovisual - Cabo Verde
Cinema - Produção - Cabo Verde
Cinema - Edição - Cabo Verde
Cinema - Som - Cabo Verde
Cinema - Aspectos de cor - Cabo Verde
Audiovisual - Relatório de estágio pedagógico
Data de Defesa: Jun-2013
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Não basta ter uma câmara de filmar para um indivíduo se autodenominar produtor ou até mesmo realizador. É indispensável adquirir conhecimentos teóricos, técnicos e práticos, que se aprofundam sobretudo no confronto com uma primeira experiência profissional. Não só tive a oportunidade de testar algumas das competências adquiridas durante a parte curricular do mestrado, como também pude observar, a partir de um ponto de vista privilegiado, a realidade estrutural da produção audiovisual em Cabo Verde. O cinema encontra–se numa fase de implementação em Cabo Verde. Já existem algumas empresas no ramo de Audiovisual tal como a Viva Imagens. Existe também a Direção Nacional das Artes que com o núcleo Cinemídia se encontra a desenvolver projetos nas áreas do Audiovisual e do Cinema. Sendo o audiovisual uma área recente em Cabo Verde, existem poucos profissionais da área. Assim sendo, é desvalorizado o trabalho dos profissionais. Deparei que a maioria dos “profissionais da área” não tem formação adequada nem a possibilidade de tê-la, recorrendo assim a instituições governamentais, nomeadamente à Direção Nacional das Artes (Ministério da Cultura), para obter algum tipo de formação adequada nos ramos do audiovisual e do cinema. É importante defender e sustentar a Ideia de se criarem mecanismos para que tanto instituições públicas ou privadas valorizem o audiovisual e o cinema, através de ações de formação, workshops, tertúlias, no sentido de se formar profissionais qualificados que possam, por sua vez, passar a sua aprendizagem às gerações futuras. O mercado privado opta por mão de obra pouco qualificada pois financeiramente é mais rentável, o que limita a qualidade. Estas lacunas são facilmente identificadas quando se analisam os trabalhos realizados. A carência de meios e a fraca exigência por parte dos clientes fazem com que a realidade seja muito diferente de Portugal. Não existindo uma instituição que regule os preços, os orçamentos variam de acordo com a vontade das empresas, o que torna o mercado desleal, dando a oportunidade ao cliente de requisitar vários orçamentos, onde as diferenças de preço podem ser gigantescas (sem haver necessariamente um retorno de qualidade técnica ou estética que o justifique). Os valores que são pagos pelo produto não justificam, muitas vezes, que exista um grande investimento na produção e numa equipa qualificada. Muitos dos profissionais adquirem experiência somente através da pratica. As ideias existem, mas quando não são executadas as tarefas de planeamento características da pré-produção, acaba por prevalecer o improviso nas rodagens, o que vem dificultar também a pós-produção e a coerência final dos produtos ou objetos audiovisuais e cinematográficos. Esta é uma das conclusões essenciais a que cheguei através da realização do estagio. Lamentavelmente, quem solicita este tipo de trabalho nem sempre tem uma ideia do trabalho e do tempo que estão por “detrás” da produção de um produto audiovisual. Quando um cliente encomenda um trabalho encontra-se já muito próximo da red line, não facilitando o trabalho à empresa e à equipa. Sem espaço de tempo para desenvolver e estruturar o projeto, o resultado é sempre insatisfatório para o profissional e para o cliente, o que faz com que muitas vezes os trabalhos tenham de ser feitos de raiz. Ao apresentar a minha candidatura de estágio, propus que fosse nas áreas de produção e pós-produção (tratamento de imagem), no sentido de serem as áreas de interesse pessoal e profissional principais. Devido à realidade presenciada tive que me envolver na fase de pré produção. Senti alguma dificuldade em adaptar-me à metodologia corrente na empresa, sendo que todos se formaram nos Estados Unidos, havendo portanto um método de trabalho diferente daquele a que estava habituado e para o qual tinha sido preparado. Baseado nos conhecimentos adquiridos durante o mestrado e apoiado em bibliografia específica, fui aplicando essa metodologia de trabalho às diferentes fases de produção. Na pré produção procurei implementar, de forma mais sistemática, a preparação de todo o projeto, nomeadamente a escrita do guião, a planificação e os levantamentos para que a rodagem e a pós produção decorressem com menos sobressaltos e de acordo com o que estava inicialmente planeado e previsto. Com base nas ideias apresentadas em cada projeto fui desenvolvendo os guiões técnicos, os storyboards e os levantamentos. Devido ao grupo de trabalho ser pequeno tinha-mos que multiplicar os esforços pois só assim seria possível eu acompanhar e desempenhar várias tarefas. Perde-se algum tempo a realizar essas tarefas, mas no final o resultado é satisfatório para todos. Os conhecimentos adquiridos na disciplina de Realização Cinematográfica auxiliaram muito para que fosse possível implementar um trabalho global de planificação, para o desenvolvimento menos improvisado dos projetos. Assim sendo, através do meu conhecimento consegui implementar uma nova atitude, conjuntamente com os colegas, uma metodologia estruturada por fases, aplicada nos projetos realizados durante o período de estagio, nomeadamente: Pré-Produção - escrita do guião, planificação, levantamentos e planeamento da produção. Produção- rodagem, captação de imagem e som Pós-produção- análise dos conteúdos, montagem, tratamento de imagem e som, correção de cor, genéricos inicial e de intervalo. Estas fases são pouco respeitadas, principalmente quando se trata da fase de pré-produção e pós-produção, baseando-me para o afirmar numa análise feita de alguns produtos audiovisuais elaborados em Cabo Verde (assim como a partir da dinâmica de funcionamento da própria empresa). Este relatório também se debruça sobre os contactos estabelecidos com os responsáveis do audiovisual e do cinema “Cinemídia”.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/1595
Aparece nas colecções:FAL - DCA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Relatório_Erinaldo_Évora.pdf145,6 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.