Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2223
Título: As cedências de espaços colectivos como geradores de vazios urbanos: loteamento da Grande Covilhã
Autor: Guerreiro, José Manuel Cabral
Orientador: Virtudes, Ana Lídia
Palavras-chave: Loteamento urbano
Espaços colectivos
Data de Defesa: 2011
Resumo: O crescimento das cidades acentuou a falta de infra-estruturas, assistindo-se frequentemente a um crescimento irracional e desordenado, resultando na fragmentação dos perímetros urbanos. O crescimento das cidades passou a reger-se essencialmente por critérios economicistas, de construir sempre mais. A procura de habitação por parte da população tem vindo a dar origem a novas zonas habitacionais, resultando no aparecimento das cidades satélite, também conhecidas como cidades dormitório, bairros da periferia exclusivamente residenciais. Este crescimento da cidade evidenciou a necessidade de garantir a existência de infraestruturas, tais como a rede de saneamento básico, abastecimento de água, estacionamento público, espaços verdes e equipamentos, como o caso das escolas. Verificou-se que a iniciativa particular dominava as operações urbanísticas, em especial de loteamento, por constituir uma actividade bastante lucrativa. Citando António Pereira da Costa1, “…os particulares aufeririam os lucros dessa actividade e a Administração suportaria os diferentes encargos, aqueles fariam a despesa e esta pagaria a factura, como soe dizer-se.” Foram-se definindo parâmetros de dimensionamento que obrigassem a prever áreas colectivas e infra-estruturas em todas as operações de loteamento. Estas áreas poderiam ser públicas ou privadas dependendo da vontade do promotor. A experiência veio a demonstrar, porém, que na esmagadora maioria dos casos, o promotor opta por espaços colectivos públicos, transferindo para a autarquia o ónus da sua manutenção. Em suma, assiste-se a uma prática “abusiva” de cedências de terrenos, sem que na maioria das vezes exista por parte da autarquia a possibilidade financeira de concretizar a finalidade aí estabelecida, transformando-se consequentemente em vazios urbanos sem qualquer utilidade. Assim, esta dissertação pretende como objectivo essencial encontrar algumas respostas para a questão: serão as cedências para equipamentos e espaços verdes de utilização colectiva geradoras de “Vazios Urbanos”? É esta a questão à qual se pretende dar resposta no decurso da presente dissertação, tendo como estudo de caso a área de expansão urbana da “Grande Covilhã”, na qual se analisarão todos os loteamentos desde 23 de Outubro de 1999, momento a partir do qual entrou em vigor o PDM.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2223
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Arquitectura,
Aparece nas colecções:FE - DECA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação_José Guerreiro_16067.pdf7,76 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.