Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2272
Título: Conceção do espaço na imagem arquitetónica
Autor: Alves, Maria Celsa Rebelo Gil
Orientador: Pinto, Luís Miguel de Barros Moreira
Gomes, José Justino de Matos Barros
Palavras-chave: Representação do espaço
Modelo de comunicação
Interpretação espacial
Data de Defesa: 2012
Resumo: O espaço da imagem publicitária em geral está impregnado de contextualizações culturais, nesta investigação que tem como objetivo compreender e descortinar sentidos e significados existentes na representação do espaço da imagem publicitária da revista da área de arquitetura Domus - Contemporary Architecture Interiors Design Art, do período de Junho de 2007 a Junho de 2008. Foram construídas conceptualizações espaciais a partir dos estudos dos antropólogos Edward T. Hall e Marc Augé, esta visão particular do espaço nesta investigação foi conseguida a partir da criação de um modelo de organização e interpretação espacial o “arquiespaço” e corresponde a uma construção de sentido elaborada sob duas vertentes a significante e a de significado. Propusemo-nos compreender os padrões de comportamento que determinam as relações espaciais. A comunicação subjacente a cada imagem estática depende, fortemente, do modo como contextualizamos os produtos e a relação entre estes e os atores. Assim sendo, referimo-nos a ela como a linguagem do comportamento. A linguagem não-verbal é suportada por uma multiplicidade de comportamentos que, com este estudo, procuraremos entender e articular com dimensão espacial. As dimensões significantes do espaço são determinantes para posteriormente se aplicarem às conceptualizações inerentes à dimensão significado, desta complementaridade ressalta o “espaço predominante” como uma forma de visualizar e conceptualizar a espacialidade da imagem. Tal como o Cubismo se centra numa representação única do objeto onde retrata todas as partes de um objeto no mesmo plano, permitindo desenhar as formas da natureza a partir de uma representação geométrica, este estudo foca-se na imagem estática e interpreta os seus diversos significados; a partir da observação e análise de todos os símbolos, ícones e signos de cada espacialidade, permitindo, através da identificação dos padrões culturais, encaminhar o público-alvo no processo cognitivo de reconhecimento. Na visão do espaço predominante, que se encontra dentro do modelo “arquiespaço”, é aplicado ao nosso corpus de análise como um instrumento que permite decifrar códigos contextuais que, apreendemos ao longo das nossas vidas e, se inscrevem no nosso modo aprendizagem espontâneo, ou seja, de natureza empírica. Deste modo, nesta tese de doutoramento, atentaremos o modo como os espaços da imagem fotográfica se afirmam, produzindo, simultaneamente, uma criação de sentido singular, capaz de refletir leituras e interpretações contextuais inovadoras. O espaço da imagem estática é, essencialmente, um palanque que ostenta intencionalmente todas as caraterísticas do produto que pretende publicitar e, ao mesmo tempo, oculta toda a informação que lhe é nefasta. A variedade das estratégias publicitárias subjacentes a este processo de comunicação permitem, por um lado, visualizar, compreender e respeitar a diversidade de relações interpessoais entre atores, ou entre mercadorias e os atores e a construção de sentido que nele se estabelece, de um modo silencioso e comportamental, por outro, a representação cénica do espaço é, igualmente, suportada, pela representação objetal contextualizada ou descontextualizada. Desta forma, propomos como estratégia de trabalho selecionar e investigar um conjunto de questões gerais que refletem e traduzem as principais dúvidas da relação do espaço ao modelo “arquiespaço” existente na imagem fotográfica publicitária da revista Domus. Iremos ainda, confirmar, se há ou não, uma linha de continuidade de investigação entre as espacialidades anteriormente criadas na minha dissertação de Mestrado, intitulada “Representação do espaço na imagem publicitária” que, por condicionantes de cariz académico, não foi possível aprofundar a análise científica do estudo do espaço de um modo extensivo e intensivo. Com este estudo, iremos propor a criação de um modelo de comunicação e interpretação espacial designado por “arquiespaço”, que pretendemos desenvolver e consolidar. Numa fase posterior, tencionamos aplicar este modelo à análise da imagem estática em geral, seja ela um evento ou o espaço de cidade, tentando estabelecer uma ligação entre a afirmação contemporânea da sua existência, como consequência do seu passado e antecipação do seu futuro. Por fim, considerando que a comunicação se estabelece entre este modelo espacial e a imagem fotográfica, é ainda importante aferir a eficiência deste processo se se pode estender a outros domínios e estudos de investigação espacial.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2272
Designação: Tese apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de Doutor em Arquitectura
Aparece nas colecções:FE - DECA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa_Doutoramento_FE.pdf795,86 kBAdobe PDFVer/Abrir
Doutoramento_versão final_após correção_24_outubro_2012_final.pdf8,99 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.