Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2330
Título: Arquitectura para viver ou parecer? a problemática do anexo e a consciencialização para espaços de fruição
Autor: Canelas, Alexandra
Orientador: Dias, José Neves
Neves, João Dias das.
Palavras-chave: Espaço de fruição
Casa
Data de Defesa: 2011
Resumo: O exercício da arquitectura não se resume aos actos directamente envolvidos nas fases de concepção, de projecto. Para que ela possa ser bem aceite e cumpra integralmente a sua função, é fundamental que se perceba o seu alcance, se conheça o seu destinatário e as expectativas que nela recaem para uma fruição plena e sustentável. A casa, elemento fundamental na vida do Homem, face visível do nosso código social e moral, evolui com a cultura daqueles que a utilizam mas nem sempre no caminho desejado, de harmonia entre o mundo social e o mundo natural. É hoje por demais evidente a alteração da face do país. A “ausência de uma afirmação arrogante de personalidade, um sentido íntimo de decoro e modéstia” (Barata, 1989) características da arquitectura vernácula, têm vindo a ser substituídas por uma necessidade de ostentação e vaidade que se materializam em formas ornamentais exageradas, diversa volumetria e por vezes exuberante composição dos elementos arquitectónicos, degenerando a natureza da arquitectura de um modo geral. Atribuiu-se essa responsabilidade aos emigrantes mas constata-se que é uma tendência extensiva a uma vasta faixa da sociedade. Ao contrário do uso atribuído à casa nas sociedades industrializadas e terciarizadas, mero objecto de consumo, um número considerável de portugueses vê nela um forte desejo de individualismo, independência e autonomia e serve-se dela para ostentar estes valores, como se as matérias e os objectos fossem portadores de uma mensagem a ser decifrada. Recorrentemente se abdica da função primária de abrigo, adequado ao nosso corpo e ao nosso espírito, para dar primazia à vaidade, ao sacrifício da moda, à urgência de suscitar inveja e manifestar poder. Uma eloquente manifestação destas alterações é o fenómeno do “anexo”, objecto de estudo do presente trabalho e cuja proliferação surge como uma âncora para a qual é transferida de forma significativa a dinâmica familiar. Desta forma, os anexos - estes sim, correspondendo às necessidades dos seus utilizadores - não representam a imagem mas antes a alma daqueles que os povoam. A casa deveria, sem dúvida, constituir o lugar de confiança, onde o esforço pedido pelas horas passadas no exterior, a protecção física face às inclemências da natureza permitisse a descontracção geral da nossa vigilância. Mas, por outro lado, para o bem e para o mal e contrariamente ao que se possa pensar, esta realidade não deixa de ser uma forma de expressão do povo e da sua cultura. Esta dissertação pretende ser um contributo para uma reflexão sobre tais inquietações, baseando-se na realização de trabalho de campo em duas áreas distintas, a saber: Braga e Bragança.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2330
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Arquitectura
Aparece nas colecções:FE - DECA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Tese - Alexandra Canelas.pdf23,04 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.