Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2376
Título: Arquitectura como propaganda do Estado Novo
Autor: Caldeirão, Teresa
Orientador: Pinto, Miguel Moreira
Palavras-chave: Arquitectura tradicional
Estado Novo
Data de Defesa: 2013
Resumo: O percurso da arquitectura da primeira metade do século XX foi conturbado e viveu numa tensão instável, que marcou o pós da 1ª Guerra Mundial. Portugal tal como tantos outros países europeus, revelou-se nos campos da arquitectura, bem como no urbanismo, tempos de confrontos entre o sentido histórico da inovação e de afirmação da ruptura e o sentido recreativo de regresso aos temas tradicionais, historicistas ou regionalistas. Muitas vezes as duas vertentes - “o tradicional e o clássico” e “o progressista e o modernista” - existiram paralelamente e qualquer um dos lados teve períodos de maior ou menor força na arquitectura neste período. A arquitectura modernista que se desenvolveu em Portugal nas décadas de 20 e 30, foi designada como um “efémero modernismo” ou o “primeiro modernismo Português”, contando com expressão clara de uma nova geração de arquitectos acabados de formar, dos quais o regime ditatorial do Estado Novo(1926-1974), entretanto implantado, opta por aceitar como autores da construção consciente da “imagem” arquitectónica e artística do regime. Tal como os principais regimes que ascenderam ao poder no final do século XX, o Estado Novo visionou na arquitectura um meio de propaganda, usando a sua “imagem” arquitectónica para promover os seus feitos e a sua ideologias perante a nação, chegando mesmo a catalogá-la em álbum (“Portugal 1934”) como modo de promoção. Sob forma de concursos, exposições e congressos a “arquitectura do Estado Novo”, como afirmação de um regime ditatorial, demonstra bem como a arquitectura pode ser um poderoso instrumento de propaganda política e imagem de um Regime. O principal objectivo desta dissertação é estudar a importância do papel da arquitectura durante esta época, bem como o papel que teve na propaganda e imagem de um Portugal poderoso, cheio de história e vitórias, com uma etnografia tão própria e tão diferente dos restantes países Europa.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2376
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de Mestre em Arquitectura
Aparece nas colecções:FE - DECA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação opt.pdf18,08 MBAdobe PDFVer/Abrir
Entrevista Arqto Augusto Brandão.pdf166,61 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.