Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2520
Título: Depressão e memória autobiográfica em adultos
Autor: Costa, Suani da Silva
Orientador: Esgalhado, Maria da Graça Proença
Palavras-chave: Memória autobiográfica
Depressão
Data de Defesa: 2010
Resumo: Diversos estudos corroboram a ideia de que uma das características da memória autobiográfica de indivíduos com depressão é a de ser sobregeneralizada, ou seja, uma recordação do próprio passado demasiadamente genérica, inespecífica e difusa. Dado que a referida perturbação constitui um problema de saúde pública devido ao grande número de sujeitos atingidos por ela e devido ao grande impacto que tem na vida do paciente e dos seus familiares, pretendemos averiguar a influência da sintomatologia depressiva na memória autobiográfica dos sujeitos e, consequentemente, na recuperação dos acontecimentos de vida dos sujeitos. A nossa amostra foi recolhida por conveniência e é constituída por 79 participantes, dos quais 19 são homens (24,1%) e 60 são mulheres (75,9%), tendo como média de idades de 44,47 anos. Foram utilizados um questionário de dados gerais, a Escala de Depressão do Centro de Estudos Epidemiológicos (CES-D) e o Teste de Memória Autobiográfica (TMA), tendo sido realizada para este último uma adaptação para adultos a partir da lista de palavras seleccionadas por Afonso (2007). Salientamos que, nos sujeitos adultos da nossa amostra, a memória autobiográfica é influenciada pelas variáveis escolaridade, idade, valência das palavrasestímulo e actividade profissional. Apesar de não termos verificado diferenças estatisticamente significativas na memória autobiográfica dos indivíduos com e sem sintomatologia depressiva, notamos que os sujeitos com sintomatologia depressiva possuem mais memórias autobiográficas específicas em resposta a palavras-estímulo com valência negativa, e menos memórias autobiográficas específicas consequentes a palavras-estímulo com valência positiva, comparativamente aos sujeitos sem sintomas depressivos. Porém, os sujeitos com sintomatologia depressiva possuem mais memórias autobiográficas positivas (X = 10,78) do que negativas (X = 9,56). Os resultados sugerem que a memória autobiográfica sobregeneralizada não está relacionada com a sintomatologia depressiva.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2520
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Psicologia, na área de Psicologia Clínica e da Saúde
Aparece nas colecções:FCSH - DPE | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
capa.pdf91,21 kBAdobe PDFVer/Abrir
Indice.pdf284,12 kBAdobe PDFVer/Abrir
Dissertação Final.pdf1,11 MBAdobe PDFVer/Abrir
folhas anexo.pdf125,16 kBAdobe PDFVer/Abrir
Anexo 1 - dados gerais.pdf90,9 kBAdobe PDFVer/Abrir
Anexo 2 - CES-D 1.jpg933,31 kBJPEGThumbnail
Ver/Abrir
Anexo 2 - CES-D 2.jpg1,15 MBJPEGThumbnail
Ver/Abrir
Anexo 3 - AMT_Selecção_de_Palavras_RMarinaAfonso.pdf75,78 kBAdobe PDFVer/Abrir
Anexo 4 - AMT.pdf136,23 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.