Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2621
Título: A competência da oralidade: práticas pedagógicas no contexto escolar
Autor: Neves, Cesaltina de Fátima Dias Rato
Orientador: Sardinha, Maria da Graça Guilherme D'Almeida
Palavras-chave: Oralidade
Práticas pedagógicas
Data de Defesa: 2010
Resumo: Numa sociedade multifacetada e exigente, onde reina a competitividade, saber falar, saber comunicar, tornam-se competências essenciais e indispensáveis para distinguir e fortalecer o “marketing” pessoal. A escola, enquanto peça-chave no ambiente linguístico de todos os jovens, herda distintas responsabilidades ao nível da preparação dos seus alunos. Na presente dissertação, apresentaremos algumas reflexões sobre o conceito de oracia, a sua importância e o modo como se implementa em contexto escolar, além de se proceder à sua visibilidade, quer nas orientações curriculares oficiais, quer no manual seleccionado. O nosso principal intuito é o de destacar a necessidade de repensar as técnicas tradicionais de ensino, encorajando a promoção do desenvolvimento de capacidades orais e, em simultâneo, sensibilizar para o incremento da oracia na escola. É inquestionável o reconhecimento por todos da primazia da oralidade, todavia, assiste--se a uma desvalorização desta componente, não garantindo, assim, a sua efectiva e eficiente realização em contexto escolar. A fim de dar corpo a este estudo, optou-se por centrar a acção pedagógica no ensino explícito da técnica da exposição oral, vital no domínio da oracia. A actividade foi aplicada a uma turma de 11º ano de escolaridade e derivou, essencialmente, dos resultados de uma diagnose que revelaram dificuldades de actuação dos discentes, no âmbito da estruturação dos seus discursos. Configurando a comunicação oral formal como um processo irreversível, torna-se indispensável que o seu estudo seja devidamente orientado e estruturado, remetendo para que na fase de preparação se seleccionem e organizem coerentemente as ideias a expor, factos que requerem uma participação activa por parte do aluno, acompanhado e orientado de modo individualizado pelo professor. Este procedimento vai fornecer um contexto de confiança e desinibição conducente a novas aprendizagens, o que contribuirá, indubitavelmente, para o desenvolvimento da autonomia do aluno no âmbito da expressão oral. De facto, um deficiente planeamento pode provocar uma sobrecarga cognitiva nos alunos, já que no momento da produção têm de controlar muitas variáveis. Esta aprendizagem é indiscutivelmente mais profícua, se for facultada ao aluno a oportunidade de se observar/analisar (autoscopia), de modo a poder reflectir sobre o seu desempenho e, deste modo, melhorar os aspectos menos conseguidos. Reconhecemos que ainda há um longo caminho a percorrer para se atingir a proficiência oral em contexto escolar, mas também estamos cientes que a exposição oral é um dos conteúdos que melhor servirá este desiderato: tornar o jovem um locutor activo e interventivo na sociedade a que pertence.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2621
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Letras, especialidade Culturais, Didácticos, Linguísticos e Literários
Aparece nas colecções:FAL - DL | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
capa.pdf97,18 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto1.pdf49,28 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto2.pdf116,16 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto3.pdf154,94 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto4.pdf2,15 MBAdobe PDFVer/Abrir
texto5.pdf261,34 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto6.pdf144,76 kBAdobe PDFVer/Abrir
texto7.pdf162,62 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.