Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2767
Título: Biodegradação anaeróbica do bagaço de azeitona
Autor: Guilherme, Vanessa da Rocha Soares
Orientador: Gonçalves, Isolina Cabral
Morão, António Miguel
Palavras-chave: Biodegradação anaeróbia
Compostos fenólicos
Data de Defesa: 2012
Resumo: As tecnologias aplicadas ao tratamento de resíduos têm actualmente como objectivo fundamental, não só a produção de água limpa para a reutilização e reciclagem, como também a recuperação de produtos químicos (nutrientes, celulose, polihidroxialcanoatos, entre outros compostos), a par da valorização energética dos poluentes, factores que constituem a força motriz subjacente à obtenção de um ecossistema sustentável. Considerando que nos anos vindouros serão geradas elevadas quantidades de resíduos agrícolas, devido a um aumento significativo do consumo nos países em desenvolvimento, a recuperação bioenergética e de subprodutos deste sector de actividade são de primordial importância. Neste contexto, estudou-se a produção de metano a partir do bagaço húmido e seco de azeitona, resíduos sólidos gerados durante o processo com extracção contínua de três fases de produção de azeite. A fim de se obter uma melhor compreensão dos processos envolvidos na degradação de lignina, um resíduo lenhocelulósico, efectuou-se a degradação termofílica anaeróbia de aldeídos fenólicos, seringaldeido e o-vanilina (monómeros de lignina), numa primeira fase do trabalho experimental. Os resultados indicam que ambos os compostos são passíveis de degradação anaeróbia. A presença de co-subtratos favorece claramente o processo de metabolização, embora o tempo de reacção necessário à degradação da o-vanilina seja cerca de 3 vezes superior ao obtido na degradação de igual quantidade de seringaldeido. A digestão anaeróbia mesofílica do bagaço de azeitona mostra que o bagaço húmido apresenta um maior potencial de biogás (cerca de 93 ml/g) do que o obtido para o bagaço seco (11-13 ml/g), num período de tempo inferior (cerca de três vezes mais curto). Além disso, o potencial de produção de biogás do bagaço de azeitona húmido é maior (93,5 mL biogas/gVSS.d) do que o obtido para o bagaço de uva (43-65 mL biogas/gVSS.d) e dreche cervejeira (19-36 mL biogas/gVSS.d) em condições teste semelhantes (Oliveira, 2011; Tomé, 2009). Estes resultados sugerem que a biometanação do bagaço húmido é uma tecnologia promissora, pois além de converter os poluentes orgânicos em biodiesel com elevada eficiência, contribui ainda quer para a diminuição dos custos associados ao tratamento clássico de águas ruças, quer ao consumo de água fresca.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2767
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de Mestre em Química Industrial
Aparece nas colecções:FC - DQ | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação.pdf2,54 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.