Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2807
Título: Exclusões sociais na doença mental: o caso da esquizofrenia e da depressão
Autor: Oliveira, Joel Fernando Pinheiro
Orientador: Augusto, Amélia Maria Cavaca
Palavras-chave: Doença mental - Inclusão social
Doença mental - Exclusão social
Data de Defesa: 2011
Resumo: A doença mental é, frequentemente, citada como a doença do século XXI, podendo mesmo, num futuro próximo, tornar-se num caso de saúde pública. Deste modo, a justificação para pertinência deste estudo recai sobre o «possível» aumento, anunciado pela comunicação social e por estudos científicos já realizados, da maior incidência de perturbações mentais nas sociedades actuais desenvolvidas e, consequentemente, uma maior disseminação do risco e da vulnerabilidade à exclusão social. Todavia, este trabalho não recai sobre as causas sociais da doença mental, centra-se, sobretudo, na doença mental enquanto factor de vulnerabilidade à exclusão social, procurando identificar e compreender as desvantagens que podem ocorrer quando um indivíduo possui um diagnóstico de depressão ou de esquizofrenia. No actual contexto social e político, pode-se referir que, por um lado, em Portugal o processo de desinstitucionalização da doença mental está ainda em curso e de forma lenta. Por outro lado e em simultâneo, o processo de reestruturação dos cuidados de saúde mental, está, ainda, muito aquém das necessidades existentes. Deste modo, as vulnerabilidades à exclusão social de um indivíduo com uma doença mental, mais concretamente com depressão e/ou esquizofrenia, variam conforme a gravidade da doença e o trajecto que esta possa implicar na relação entre os quatro pilares fundamentais da sociedade: o Estado, o trabalho, a comunidade e a família. A abordagem que se pretende atribuir visa um enquadramento biopsicossocial, através de uma perspectiva multidimensional, mas enfatizando uma posição sociológica perante o problema social em causa. Este estudo realiza-se através de uma metodologia qualitativa e/ou compreensiva, pelo facto de o seu principal objectivo ser a compreensão deste fenómeno social e/ou a relação entre os dois fenómenos sociais, exclusão social e a doença mental. O contexto sob investigação foi o português, mais concretamente em Portugal continental, nas regiões mais representativas em termos estatísticos (Norte Litoral, Centro Interior e Litoral e Vale do Tejo), quer ao nível das instituições que prestam serviço de saúde mental, como também ao nível das patologias seleccionadas. Desta forma, foram realizadas entrevistas a profissionais de saúde (psiquiatras e clínicos gerais) e outros (técnicos de serviço social) e a utentes com um diagnóstico de esquizofrenia e/ou depressão.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2807
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Sociologia : Exclusões e Políticas Sociais
Aparece nas colecções:FCSH - DS | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
I Parte.pdf189,41 kBAdobe PDFVer/Abrir
II Parte.pdf1,17 MBAdobe PDFVer/Abrir
Entrevistas transcritas.pdf1,25 MBAdobe PDFVer/Abrir
ANEXOS.pdf880,31 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.