Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/2935
Título: Investimento estrangeiro em acções: determinantes e efeitos nos preços e volatilidade do mercado português
Autor: Ramos, António Albino Costa
Orientador: Monteiro, João Dionísio
Palavras-chave: Mercado de capitais - Investimento estrangeiro
Acções - Investimento estrangeiro - Portugal
Data de Defesa: 2009
Resumo: Os fluxos de capitais privados estrangeiros que entram numa economia são, geralmente, classificados em três grandes categorias: investimento directo, investimento de carteira e crédito bancário. Até final da década 1980, nos mercados desenvolvidos e emergentes, o investimento directo e o crédito bancário estrangeiro representavam a maioria dos fluxos que entravam nestas economias. A partir do início da década de 1990, a composição dos fluxos altera-se, passando a posição maioritária para os fluxos de carteira, representando os fluxos em acções uma fracção considerável desta maioria (Ahmed e Gooptu, 1993; Gavin e Haegeli, 1999, López-Mejía, 1999; Tesar, 1999, Perrault, 2002). Este facto traduziu a abertura dos mercados e o progressivo relaxamento das restrições de investimento ao capital estrangeiro e, simultaneamente, o reconhecimento pelos investidores dos benefícios da diversificação internacional de carteiras. A partir do início da década de 1990, o aumento dos fluxos estrangeiros em acções para os mercados emergentes, incluindo Portugal, foi significativo. Os países desenvolvidos iniciaram processos de liberalização dos mercados de capitais a partir do início da década de 1980, passando muitos deles a mercados inteiramente liberalizados a partir de meados desta década. Por sua vez, os mercados emergentes iniciaram processos de liberalização mais tardios; no final da década de 1990, havia ainda alguns mercados que impunham restrições às posições de investimento estrangeiro, sendo a Coreia do Sul um destes casos (Choe, Kho, e Stulz, 1999; Kim e Wei, 2002,a,b). Decorrente do aumento significativo dos fluxos estrangeiros em acções, nalguns mercados os investidores estrangeiros alcançaram posições de investimento significativas, como foi o caso português onde, em meados de 2004, a posição de investimento estrangeiro, englobando os diversos canais de investimento, representava cerca de um terço da capitalização accionista da bolsa portuguesa. O problema de investigação deste trabalho é, pois, a relação entre as aquisições líquidas de acções nacionais pelos investidores estrangeiros e: 1) a rendibilidade e volatilidade do mercado português; 2) os factores de risco económico e financeiro, locais e globais, que as motivam.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/2935
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Economia Financeira
Aparece nas colecções:FCSH - DGE | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
INVESTIMENTO ESTRANGEIRO EM ACÇÕES.pdf418,37 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.