Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/3132
Título: A casa tanto é minha como tua! : Kambioos - modelo de habitação mínima
Autor: Carvalho, Ana Rita Gomes
Orientador: Pinto, Luís Miguel Moreira
Palavras-chave: Arquitectura - Habitação - História
Habitação - Conceito - Adaptabilidade
Habitação - Espaço mínimo
Habitação portátil
Habitação - Pré-fabricação
Kambioos - Habitação móvel - Protótipo
Data de Defesa: 2013
Resumo: Em pleno século XXI o Homem, como sujeito pensador, sonhador e ilusionista é constantemente bombardeado por diversos factores conferidos por um mundo global, que lhe incutem conceitos de inovação, transformação e permuta. Vivemos numa sociedade cada vez mais extremista, e se por um lado é consumista, por outro é despojada. Vivemos numa pluralidade de sentidos, meios e conceitos. Questões como mobilidade, espaço-tempo ou rentabilidade reflectem-se no modo de vida do ser humano. A habitação é o meio que permite ao homem sobreviver, pelo imperativo abrigo. A habitação é a forma de arquitectura mais globalizada e é também por ela que o Homem estabelece maior proximidade com o conceito arquitectónico. É por este motivo que é dada maior importância a esta temática. Ao longo dos tempos o homem foi evoluindo, nas suas formas de socializar, pensar e consequentemente de viver e a habitação foi sempre acompanhando tais transformações, onde a arquitectura foi assumidamente metamórfica. E hoje como estará este processo de metamorfose? Acompanha a arquitectura todas as reais necessidades do Homem global? Diversas são as problemáticas que diariamente confrontam a arquitectura apelando a novas soluções, exemplo disso são os problemas socioeconómico e a consequente discrepância social. Considerando o arquitecto como transformador do espaço e capaz de entender tais problemáticas, é por ele que se pode apresentar soluções viáveis às necessidades do Homem contemporâneo. Assim, nesta dissertação pretende-se numa última fase conceber um modelo capaz de responder a tais exigências, e para tal é necessário compreender conceitos passados, como as inovações incutidas ao sector ou as necessidades básicas do homem, para se poder compreender até que ponto esses conceitos são ainda actuais e quais são hoje as necessidades fundamentais do ser humano. Numa sociedade global facilita-se o movimento, a simultaneidade, encurta-se o tempo e a distância. Desloca-se a população seja pela própria globalização como por factores diversos, naturais, políticos, económicos… A povoação mudou e a habitação não pode ser unicamente pensada a partir de um só território, pois hoje o habitante define múltiplos habitats, incertos, íntimos e móveis. Foca-se então a habitação mínima, flexível e portátil. Infunda-se nela a independência, a imprevisibilidade, a rentabilidade e equidade humana que o mundo actual tanto necessita. A proposta resulta do conceito ‘A casa uma máquina de habitar’ e assume o imperativo de ‘A casa tanto é minha como tua!’.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/3132
Designação: Mestrado em Arquitectura
Aparece nas colecções:FE - DECA | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
kambioos-dissertação.pdfDocumento principal3,59 MBAdobe PDFVer/Abrir
KAMBIOOS.zipAnexos4,25 MBZipVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.