Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/3222
Título: Efeito do cálcio e da via da Rho cinase (ROCK) na contractilidade da artéria umbilical humana (HUA)
Autor: Lemos, Maria Eduarda Candeias de
Orientador: Rodrigues, Maria Elisa Cairrão
Verde Lusquiños, José Ignacio
Palavras-chave: Músculo liso vascular
Artéria umbilical humana
Data de Defesa: 2012
Resumo: Os mecanismos que regulam a contractilidade das células do músculo liso da artéria umbilical humana são muito importantes para permitir a troca de gases e nutrientes entre o feto e a placenta. Uma vez que a artéria é desprovida de inervação, o controlo do tónus vascular é completamente dependente de alguns iões como o potássio e o cálcio, dos mediadores vasoativos libertados localmente e de substâncias transportadas pelo fluxo sanguíneo, como a histamina e serotonina (5-hidroxiptamina). Vários autores descrevem que o aumento da libertação destes mediadores, assim como a sensibilização da artéria umbilical humana (HUA) aos mesmos, pode levar ao aparecimento da pré-eclampsia. Por outro lado, uma correcta regulação do tónus do músculo liso vascular é fundamental na manutenção de funções biológicas e a desregulação pode resultar em diversas patologias. O mecanismo de contração do músculo liso é iniciado por ativação de um recetor ou de um canal iónico e envolve mecanismos que podem ser dependentes ou independentes de cálcio (“sensibilização ao cálcio”). A via da Rho-cinase (ROCK) está intrinsecamente envolvida no processo de contração do músculo liso e tem sido envolvida em outros processos celulares. Estudos prévios realizados pelo nosso grupo demonstraram que a ROCK está envolvida no processo de regulação da contractilidade da artéria umbilical na presença de cálcio. Assim, este projeto pretende determinar o papel desta cinase, assim como analisar a influência do cálcio extracelular nesta via, usando células do músculo liso (SMC) da HUA. Para além disso, pretende também estudar a possível relação entre a via do cGMP/PKG e a ROCK. Foi utilizada a técnica PCSA (“planar cell surface área”). As SMC foram previamente marcadas com um fluoróforo (fluoresceína) e analisadas com recurso a um microscópio de fluorescência. Inicialmente analisou-se a contractilidade das SMC em meio com diferentes concentrações de cálcio extracelular e na ausência deste. As artérias foram previamente contraídas por 5-HT (1 μM) e por histamina (10 μM). Para testar o efeito da via da ROCK foi utilizado um inibidor da ROCK (Y27236) em presença de diferentes concentrações de cálcio extracelular. O possível envolvimento da PKG na via da ROCK foi analisado usando um dador de óxido nítrico (SNP 40 μM). Os resultados demonstraram que a diferentes concentrações de cálcio (0,1; 0,2; 0,5; 1; 2 e 3 mM), as SMC pré-contraídas por 5-HT apresentaram contrações similares para as diferentes concentrações de cálcio. Pelo contrário, as SMC pré-contraídas pela histamina apresentaram contrações superiores na presença de 0,5 mM e 2 mM de cálcio extracelular. Em meio sem cálcio, a histamina induziu maior efeito contráctil que a 5-HT. Em relação ao papel da ROCK na contractilidade da HUA, verificamos que para ambos os agentes contracteis analisados, a inibição da ROCK não teve influência na contração das SMC. O SNP não alterou o efeito contráctil da 5-HT e da histamina independentemente da concentração de cálcio assim como na ausência deste. Nas células contraídas pela 5-HT a uma concentração de 1 mM de cálcio extracelular, o inibidor da ROCK, modificou significativamente o efeito relaxante do SNP. No referente à histamina verificou-se que independentemente das concentrações de cálcio utilizadas, o Y27 não modificou o efeito da administração conjunta da histamina e SNP. Em suma, os nossos resultados evidenciaram que a contractilidade da HUA é muito sensível a diferentes concentrações de cálcio extracelular, o que indica que este ião regula de uma forma dinâmica a contractilidade das SMC vasculares. Os nossos resultados também permitem concluir que a contractilidade da HUA não é regulada pela via da ROCK e que as alterações na concentração de cGMP não intervêm na inibição desta via.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/3222
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de mestre em Bioquímica
Aparece nas colecções:FC - DQ | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertaçao Eduarda Lemos.pdf2,73 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.