Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/3265
Título: Efeito dos androgénios na regulação do tónus da artéria umbilical, na hipertensão arterial da gravidez
Autor: Esteves, Ana Filipa Silva
Orientador: Rodrigues, Maria Elisa Cairrão
Verde Lusquiños, José Ignacio
Palavras-chave: Células musculares lisas vasculares
Artéria umbilical humana
Patologias da gravidez
Nucleótidos cíclicos
Data de Defesa: 2013
Resumo: Nas últimas décadas, vários investigadores têm sugerido uma associação entre os androgénios e a hipertensão. Os efeitos benéficos dos androgénios no sistema vascular estão associados com a sua capacidade para provocar vasorelaxamento vascular. Os efeitos não genómicos dos androgénios nas células vasculares do musculo liso parecem ser devidos à ativação dos canais de potássio ativados pelo Ca2+ de elevada condutância (BKCa) e dos canais de potássio sensíveis à voltagem (KV) e/ou à inibição dos canais de Ca2+ dependentes da voltagem tipo L (L-VOCC). Contudo os efeitos genómicos dos androgénios, nomeadamente na expressão destes canais iónicos, são pouco conhecidos. No entanto em estudos anteriores observou-se que os androgénios podem ser benéficos a nível cardiovascular pois têm efeitos vasodilatadores, e aumentam a expressão dos canais BKCa e dos Kv. A hipertensão é um dos problema mais comums na gravidez que complica 5% a 10% das situações de gravidez. Apesar da morbilidade significativa associada aos bebés nascidos de grávidas com hipertensão, a patogénese permanece por esclarecer, o que limita a capacidade de preveni-la e trata-la. O objetivo deste trabalho foi analisar os efeitos genómicos dos androgénios na expressão de diferentes proteínas envolvidas na regulação da contrátilidade vascular, nomeadamente da guanilato ciclase solúvel (sGC), do recetor do péptido natriurético-A (NPRA) e da proteína cinase G (PKG). Estas proteínas parecem estar envolvidas no mecanismo vasodilatador provocado pelos androgénios. Este trabalho também teve como objetivo a comparação entre os níveis de expressão destas proteínas em artérias umbilicais humanas (HUA) provenientes de grávidas normotensas e de grávidas hipertensas. Para atingir estes objetivos foi utilisada a técnica de PCR em tempo real em células do músculo liso de HUA, as quais foram pré-incubadas durante 24 horas com DHT (1-1000nM). Em células musculares de HUA provenientes de grávidas normotensas, os androgénios provocaram uma diminuição da expressão da sGC e da PKG, e um aumento na expressão do NPRA. No entanto, em células musculares de HUA provenientes de grávidas hipertensas os androgénios provocam uma diminuição da expressão da sGC, da NPRA e um aumento da expressão da PKG. Em suma, podemos concluir que o DHT modula a expressão das proteínas analisadas, as quais estão envolvidas no mecanismo vasodilatador dos androgénios.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/3265
Designação: Dissertação apresentada à Universidade da Beira Interior para a obtenção do grau de Mestre em Bioquímica
Aparece nas colecções:FC - DQ | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação Ana Esteves.pdf2,52 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.