Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/3878
Título: Previsão por métodos informáticos da estrutura secundária de proteínas e de algumas propriedades associadas
Autor: Carvalho, Nuno José Costa
Orientador: Mendonça, António
Palavras-chave: Proteínas
Proteínas - Hidrofobicidade
Proteínas - Alergenicidade
Proteínas - Estrutura secundária
Epítopos
Bioquímica - Bioinformática
Data de Defesa: 2010
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: A bioinformática é uma disciplina inovadora que conheceu um grande desenvolvimento nestes últimos anos. Ela não só permite uma real economia para a indústria farmacêutica como também evita parte do sacrifício das espécies de animais habitualmente usadas nos laboratórios de investigação científica. Com o intuito de prever a estrutura secundária (hélices-α; folhas-β e voltas) das proteínas a partir de escalas de hidrofobicidade dos aminoácidos, recorreu-se a ferramentas informáticas, (Folhas de cálculo). Mais concretamente, utilizou-se vários métodos de cálculo como a escala de hidrofobicidade de Kyte & Doolittle entre outras; método de Chou & Fasman e método de Lupas. Também foi estudada a presença de zonas de maior alergenicidade nas proteínas. Estes estudos foram efectuados com as seguintes proteínas: lisozima C; ovalbumina; ovomucina; ovomucóide; α -caseína s1; α-caseína s2; β-caseína; β- lactoglobulina; β-2-microglobulina; osteopontina e ubiquitina. Os cálculos foram também efectuados para a BSA. A interpretação dos resultados obtidos não foi tão fácil quanto o esperado. Se o método de Chou & Fasman e o método de Lupas não deixam margem de dúvida quanto à possível existência de estruturas como: as hélices-α; folhas-β e voltas (turns) ou ainda a super-hélices-α (coiled-coil), não se pode esquecer que se trata de métodos baseados em cálculos de probabilidade. Por essa razão, não permitem dizer com toda a certeza qual a estrutura secundária das proteínas em estudo. Os resultados gráficos obtidos através dos cálculos baseados nas escalas de hidrofobicidade, revelaram uma falta de clareza e evidência sendo mesmo por vezes sujeitos a interpretações subjectivas. No estudo da alergenicidade, também ele baseado numa escala de hidrofobicidade (escala de Hopp & Wood), todos os picos obtidos podem ser interpretados como potenciais zonas de ligação ou seja, potenciais epítopos visto que têm valores positivos. De um ponto de vista geral, pode dizer-se que todos os métodos utilizados, encontraram aplicação em todas as proteínas estudadas. No entanto, é preciso ter-se em conta que todos os resultados são apresentados como se as proteínas estivessem totalmente desenroladas, o que não é conforme à realidade.
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/3878
Designação: Mestrado em Bioquímica
Aparece nas colecções:FC - DQ | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Dissertação de mestrado.pdf11,05 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.