Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/779
Título: Prevalência da sintomatologia depressiva nos estudantes da Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior
Autor: Coutinho, Filipe Alexandre Ferreira
Palavras-chave: Estudantes universitários - Sintomatologia depressiva
Estudantes universitários - Faculdade de Ciências da Saúde - UBI
Depressão - Avaliação - Escala de Beck
Sintomatologia depressiva - Estudo de caso
Data de Defesa: 2010
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: A presença das perturbações depressivas origina um elevado impacto negativo na população a vários níveis (não só a nível pessoal e familiar, mas também a nível social e económico). Pelo facto de se assistir a um aumento progressivo da sintomatologia depressiva nos estudantes universitários, passando muitas vezes despercebida e devido à precariedade de informação epidemiológica neste âmbito em Portugal, justifica-se a realização desta investigação. Objectivos: 1) Determinar a prevalência dos sintomas depressivos nos estudantes da Faculdade de Ciências da Saúde e analisar a sua relação com determinados factores; 2) proceder à validação da versão do Inventário de Depressão de Beck (IDB) utilizada nesta população. Metodologia: Apresenta-se como uma investigação transversal, de cariz descritivo e com componente analítica dos dados. Baseou-se na aplicação de um questionário anónimo via online, constituído por duas partes: 1) dados sócio-demográficos e 2) IDB. Os resultados foram analisados no software estatístico SPSS ® - versão 17 para o Windows ® e consideraram-se significativos para um p <0,05. Recorreu-se ao teste de independência do Qui-quadrado para analisar as relações entre as variáveis. Na validação do IDB, avaliou-se a sua consistência interna e análise factorial. Resultados: No total, 359 (36,2%) dos alunos aderiram ao inquérito, sendo a maioria solteira e do sexo feminino. Dos 26 (7,24%) alunos com antecedentes pessoais de doença psiquiátrica, 19 (73,1%) referem a Depressão como doença em causa. A prevalência dos sintomas (ponto de corte > 10 pontos no IDB) foi de 42,1%. Entre os estudantes de cada curso, verificou-se que 50% de Ciências Farmacêuticas, 46% de Ciências Biomédicas e 37% de Medicina apresentavam sintomas depressivos. Os maiores valores na prevalência dos sintomas estão significativamente associados a: baixo nível sócio-económico, menor satisfação com o curso, diminuição na realização de actividades de lazer e consumo regular de cafeína. Na validação do IDB, obteve-se um Alfa de Cronbach de 0,89; os 21 itens do IDB foram reduzidos a quatro dimensões avaliadas pelo IDB: cognitiva, afectiva, somática e desviante do funcionamento depressivo. Conclusão: Como se pode comprovar no presente estudo, a existência de sintomatologia depressiva nos estudantes universitários é uma realidade bem presente. Nasce assim a necessidade de desenvolver esforços para a implementação de programas de apoio psicológico com vista à sua detecção atempada e prevenir futuras consequências negativas, como o suicídio. A versão do IDB utilizada apresentou boas propriedades psicométricas para a população estudada.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/779
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Prevalência da sintomatologia depressiva nos estudantes da Faculdade de Ciências da Saúde da Univ.pdf5,21 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.