Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/819
Título: Análise da utilização clínica da procalcitonina de alta sensibilidade no Centro Hospitalar Cova da Beira
Autor: Maio, António Gonçalves Candeias da Guerra
Palavras-chave: Procalcitonina - Marcador biológico - Infecção (sépsis)
Procalcitonina - Marcador biológico
Procalcitonina - Diagnóstico
Procalcitonina - Prognóstico
Procalcitonina - Antibioterapia
Data de Defesa: Jun-2010
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: A procalcitonina é um marcador biológico para diagnóstico, monitorização da terapêutica e prognóstico de processos inflamatórios de etiologia infecciosa. Este estudo procura conhecer a realidade local face à sua requisição no Centro Hospitalar Cova da Beira. Métodos: Realizou-se um estudo transversal retrospectivo. Foram seleccionadas todas as medições da procalcitonina sérica efectuadas nos serviços de Urgência e Unidade de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar Cova da Beira entre 1 de Janeiro de 2008 e 31 de Dezembro de 2009 e analisados estatisticamente os dados relativos aos pacientes aos quais correspondem essas medições. Resultados: Na Urgência realizaram-se 121 medições da procalcitonina a 113 pacientes (1,07 medições por episódio) sendo o valor inicial, em média, de 6,55 ng/mL. Foi atribuída a cor amarela à maioria dos pacientes segundo a triagem de Manchester. Após o episódio de Urgência, 61,1% dos pacientes foram internados e 2,7% faleceram. Encontraram-se correlações estatísticas entre o valor inicial da procalcitonina e o valor inicial da proteína C-reactiva (p<0,001) e o desfecho do episódio de urgência (p<0,001). Aos 199 pacientes que estiveram na Unidade de Cuidados Intensivos durante o internamento foram realizadas 571 medições. A maioria dos pacientes esteve internado em dois serviços (72,9%), durante cerca de de 29,57 dias e estando, em média, 11,82 dias na Unidade de Cuidados Intensivos. O valor inicial da procalcitonina era, em média, de 13,71 ng/mL. Foram diagnosticados 78,9% e 33,2% dos pacientes com infecção e sépsis respectivamente. Dos infectados 62,42% tiveram culturas positivas, identificando bactérias em 94,90% dos casos. De todos os pacientes, 181 foram medicados com 3,24 antibióticos, medindo-se a procalcitonina em 70,17% , antes da antibioterapia ser instituída, sendo o valor inicial de 18,84 ng/mL. A proteína C-reactiva foi medida em 98,0% das vezes, com uma média da primeira medição de 32,06 mg/dL. A maioria dos pacientes morreu entre o final da primeira semana e o primeiro mês. A procalcitonina associa-se com a presença de infecção (p<0,001) e o diagnóstico de sépsis (p<0,001), sendo sobreponível aos valores da proteína C-reactiva (p=0,002). Os valores mais altos associam-se com a mortalidade até às 48 horas e consequentemente com o desfecho do internamento (p=0,002). Conclusão: A procalcitonina é um marcador biológico capaz de identificar a presença de infecção/sépsis, contribuindo para o diagnóstico, avaliação da progressão da doença e início da antibioterapia, sendo, também, um bom indicador do prognóstico e uma boa alternativa ao uso da proteína C- reactiva.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/819
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Capa.pdfCapa229,68 kBAdobe PDFVer/Abrir
Tese Mestrado.pdfTese1,01 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.