Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/853
Título: Avaliação do valor prognóstico do leucograma nos Síndromes Coronários Agudos
Autor: Ribeiro, Ana Heloísa da Silva
Palavras-chave: Síndrome coronário agudo
Enfarte agudo do miocárdio
Síndrome coronário agudo - Proteína C reactiva
Síndrome coronário agudo - Leucócitos
Síndrome coronário agudo - Monócitos
Síndrome coronário agudo - Prognóstico
Data de Defesa: Jun-2010
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução e Objectivos: As doenças cardiovasculares constituem um problema de saúde global. Torna-se assim de extrema importância identificar os doentes em risco de ocorrência de eventos nefastos pós-Síndrome Coronário Agudo através de scores de risco como o de GRACE e de marcadores de prognóstico, de que são exemplo a contagem de leucócitos e níveis de PCR. Este trabalho tem como objectivo estudar os valores da contagem de leucócitos e respectivas subpopulações na amostra e verificar se há associação de valores elevados com maior mortalidade, maior duração de internamento, níveis elevados de PCR e valores mais elevados no score de GRACE. Metodologia: Este estudo retrospectivo – coorte – consistiu na análise dos doentes admitidos na Unidade de Cuidados Intensivos do Centro Hospitalar Cova da Beira com diagnóstico de Síndrome Coronário Agudo, desde o segundo semestre de 2007 ao primeiro semestre de 2009. Para análise estatística dos resultados foram usados os programas Microsoft Excel 2007 ® e SPSS 2007 ® ,versão 17.0, ambos para Windows, tendo sido considerados como estatisticamente significativos os resultados com p <0.05. Resultados: Na amostra (n=170), 52.9 % (n=90) dos pacientes apresentavam valores de leucócitos totais normais e 47.1% (n=80) apresentavam contagem elevada de leucócitos, tendo os últimos uma mediana de idade inferior à dos primeiros (66 vs 70 anos, respectivamente, p=0.031). Doentes com contagem normal de leucócitos apresentam uma maior frequência de hipertensão arterial, dislipidémia e doença isquémica prévia (respectivamente, p=0.001, p=0.0002 e p=0.049), enquanto a presença de doença autoimune é mais frequente nos doentes com contagem de leucócitos elevada (p=0.047). A frequência de valores de PCR elevados (>0.75 mg/dL) está significativamente associada a contagem elevada de leucócitos comparativamente a valores normais (53.5% vs 35.1% com p=0.024), tal como acontece com uma mediana mais elevada de score de GRACE intra-hospitalar (206 vs 185; p=0.005) e a 6 meses (176 vs. 155, p=0.013). Não houve associação entre valor de contagem de leucócitos e duração do internamento. Uma contagem elevada de leucócitos associou-se ainda a maior frequência de morte a 30 dias (22.5% vs 8.9%, p=0.014), sendo a mortalidade a 6 meses maior neste mesmo grupo (p=0.036). Nos doentes com contagem elevada de monócitos constatou-se uma mortalidade inferior comparativamente àqueles com contagem baixa (p=0.009). Contagens elevada e normal de monócitos são factores protectores comparativamente à contagem baixa (respectivamente, HR= 0.162, IC 95% 0.046-0.574, p=0.005 e HR=0.187, IC95% 0.043-0.812, p=0.025), enquanto doentes com score de GRACE ≥212 apresentam risco superior de morte/re-enfarte relativamente àqueles com score ≤112 (HR=5.987, IC 95% 1.339-26.764, p=0.019). Um nível elevado de neutrófilos face a um valor normal tem valor preditivo desses mesmos eventos independente do score de GRACE (HR=2.204, IC95% 1.065-4.561, p=0.033). Discussão e Conclusão: Constatou-se que valores elevados da contagem de leucócitos se associam significativamente a uma mediana de idade inferior, a valores elevados de PCR e de score de GRACE e maior frequência do evento morte. Níveis elevados de neutrófilos têm valor preditivo de morte/re-enfarte enquanto, inversamente, doentes com contagens elevadas de monócitos apresentaram melhor prognóstico.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/853
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Heloísa_Ribeiro.pdf2,2 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.