Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/920
Título: Caracterização do perfil de utilização de medicamentos antidepressivos na Beira Interior
Autor: Fernandes, Marta Filipa Lourenço
Palavras-chave: Medicamentos antidepressivos
Medicamentos antidepressivos - Utilização
Medicamentos antidepressivos - Utilização - Beira Interior
Depressão - Antidepressivos
Data de Defesa: Out-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: A utilização de medicamentos antidepressivos, fármacos mais prescritos para o tratamento da depressão, tem vindo a aumentar nos últimos anos. As várias classes de antidepressivos diferem no seu mecanismo de acção farmacológico e também no perfil de efeitos adversos e potenciais interacções farmacológicas. Estes aspectos podem influenciar a selecção dos medicamentos antidepressivos e a adesão do doente à terapêutica. Objectivo: Caracterizar o perfil de utilização de medicamentos antidepressivos na Beira Interior em função de variáveis sócio-demográficas e farmacológicas. Material e métodos: Efectuou-se um estudo observacional descritivo e transversal, nas farmácias comunitárias dos distritos da Guarda e de Castelo Branco. Foi utilizada uma amostra de conveniência constituída por 404 utentes utilizadores de medicamentos antidepressivos. A informação relativa a cada utente foi obtida através da aplicação de um questionário de caracterização sócio-demográfica e outro de caracterização farmacológica. Resultados: Dos 404 utentes estudados, com idades compreendidas entre 16 e 90 anos, 312 eram mulheres (77%). A média de idade dos indivíduos a tomar um antidepressivo foi de 55,6 anos. Entre os utilizadores de antidepressivos 55,7% estavam a tomar um inibidor selectivo da recaptação de serotonina (ISRS). Os três fármacos mais amplamente prescritos nessa classe foram a fluoxetina (34,7%), a sertralina (24%) e o escitalopram (22,2%). Os utentes que estavam a tomar concomitantemente 2 ou mais fármacos representaram 16,1% do total da amostra e os antidepressivos tricíclicos (ATCs) e inibidores da monoamina oxidase (IMAO) foram os menos utilizados. Para 51% dos doentes, o tratamento antidepressivo foi prescrito pelo clínico geral, e estes prescreveram mais ISRS e menos ATCs em relação aos médicos especialistas. Conclusão: As mulheres utilizam mais medicamentos antidepressivos que os homens. O clínico geral prescreve mais antidepressivos que o psiquiatra e médicos de outras especialidades. A monoterapia é o regime terapêutico mais utilizado e os ISRS são os antidepressivos mais prescritos.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/920
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Modelo_Dissertacao Entrega.pdf2,93 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.