Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/935
Título: Renovação da prescrição de antihipertensores sem consulta médica : influência no controlo da hipertensão arterial
Autor: Couto, Ana Filipa Faria
Palavras-chave: Doença cardiovascular
Hipertensão arterial
Hipertensão arterial - Antihipertensores - Prescrição médica
Pressão arterial - Controlo
Data de Defesa: Mai-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: As doenças cardiovasculares constituem a principal causa de morte prematura a nível Nacional e Europeu, destacando-se a hipertensão arterial (HTA) como um dos mais importantes factores de risco modificáveis. Apesar da evolução substancial no conhecimento, tratamento e controlo da HTA, constata-se uma elevada prevalência de HTA não controlada. A renovação da prescrição médica constitui um dos principais motivos de consulta em cuidados de saúde primários. No entanto, uma parte substancial é feita sem contacto médico-doente e as repercussões desta prática no controlo da HTA permanecem por estudar. Objectivo: Avaliar o efeito da renovação da prescrição sem consulta médica (RPSCM) de antihipertensores (aHT) no controlo da HTA e validar a hipótese de que a RPSCM está associada a um menor controlo da HTA. Métodos: Realizou-se um estudo observacional transversal, no Centro de Saúde e numa Farmácia da Covilhã. Numa amostra de 213 doentes com diagnóstico de HTA e terapêutica antihipertensora há mais de um ano, foi comparado o controlo da HTA no grupo que renovou a prescrição de aHT com consulta médica e no grupo que renovou a prescrição de aHT sem consulta médica (tendo a última consulta ocorrido há mais de 6 meses). Resultados: No grupo RPSCM mais de 75% dos doentes apresentaram HTA não controlada. A RPSCM de aHT aumenta significativamente o risco de HTA não controlada (OR=3.89, IC 95% 1.73-8.74), após ajustamento para as variáveis idade e número de medicamentos. Conclusão: A RPSCM de aHT está associada a um menor controlo da HTA. É necessário desenvolver um procedimento regulamentado de RPSCM em Portugal, que permita maior controlo clínico do número e intervalos de prescrições repetidas. A cooperação médico-farmacêutico pode revelar-se útil na monitorização dos resultados terapêuticos da RPSCM.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/935
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
TESE FINAL Ana Filipa Couto.pdf539,21 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.