Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/952
Título: Medicina geral e familiar : do ensino à escolha da especialidade
Autor: Gomes, Ana Rita da Costa
Palavras-chave: Medicina geral e familiar - Especialidade médica - Estudantes de medicina
Medicina geral e familiar - Escolha de especialidade médica
Data de Defesa: Mai-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: Introdução: O declínio de interesse dos estudantes de Medicina pela Medicina Geral e Familiar (MGF) é um problema complexo e multifactorial que ocorre a nível internacional. Como forma de descodificar um pouco esta problemática inerente à decisão de escolha dos estudantes, este estudo pretende verificar a influência do ensino da disciplina de MGF na escolha desta especialidade. Materiais e Métodos: Consistiu na aplicação de dois questionários: um de resposta aberta aos responsáveis pelo ensino da MGF das faculdades de Medicina portuguesas sobre o plano curricular dessa disciplina e outro anónimo e de auto-resposta aos estudantes do 6ª ano de Medicina do ano lectivo 2010/2011 das sete faculdades, sendo constituído por 3 partes (I- Dados sócio-demográficos, II- Escolha da especialidade, III- Ensino da MGF). Resultados: Da amostra de 367 (28,4%) respondentes de um universo de 1290 estudantes, 73,6% eram do sexo feminino. A Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP) (38,5%) e a Faculdade de Ciências da Saúde da Universidade da Beira Interior (FCS-UBI) (37,7%) são as faculdades onde os estudantes mais colocam a MGF entre as opções de escolha. No 1º ano de faculdade a MGF estava entre as opções de escolha de 20,1% dos estudantes e no 6º ano, 44,2% colocava a MGF entre as opções de escolha. Numa escala de 1 a 5, as classificações médias mais altas atribuídas ao ensino em geral da MGF foram dadas na FCS-UBI (3,85) e Escola de Ciências da Saúde da Universidade do Minho (ECS-UM) (3,77), assim como nas suas componentes teórica e prática. Discussão/Conclusão: O ensino pré-graduado da MGF é diferente nas sete faculdades, tendo a FCS-UBI e ECS-UM um plano curricular mais longitudinal e com maior carga horária. Os motivos que mais influenciam na escolha da especialidade são os aspectos relacionados com as características desta especialidade, e, os relacionados com o ensino surgem seguidamente. O interesse pela MGF por parte dos estudantes aumenta ao longo do curso, o que revela que o contacto com esta disciplina durante a faculdade leva a uma sensibilização positiva por parte dos estudantes. Torna-se assim necessário actuar sobre o ensino pré-graduado, com intervenções a nível da uniformização e melhoria da organização dos planos curriculares das faculdades de Medicina portuguesas, com o objectivo de conseguir captar para a MGF melhores jovens médicos, em especial os mais vocacionados para a prática médica desta especialidade.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/952
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Medicina Geral e Familiar - Do ensino à escolha da especialidade_ Ana Rita Costa Gomes.pdf928,31 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.