Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/980
Título: Visão das cores e sistemas de análise do teste Farnsworth Munsell 100-Hue
Autor: Mota, Cláudia Margarida Figueiredo
Palavras-chave: Visão das cores
Visão das cores - Teste Farnsworth Munsell-100
Visão das cores - Avaliação
Visão das cores - Defeitos
Visão das cores - Método de Vingrys
Data de Defesa: Out-2011
Editora: Universidade da Beira Interior
Resumo: O Presente trabalho teve por finalidade fazer uma revisão bibliográfica acerca do tema, a avaliação da visão das cores e os vários sistemas de análise do teste Farnsworth Munsell 100-Hue. Foram avaliadas várias publicações nacionais e internacionais, seleccionadas de forma criteriosa quanto ao material e método utilizados e que se adequassem e satisfizessem os objectivos desta revisão bibliográfica. Foram encontrados na totalidade 877 documentos, dos quais apenas 46 foram analisados, segundo os critérios de selecção. Concluiu-se que o método de análise mais utilizado é a análise quadrante. Os defeitos na visão cromática podem ser divididos em duas grandes classes: defeitos congénitos e defeitos adquiridos. Entender e diferenciar estas duas condições é importante na prática clínica, tanto para diagnóstico dos defeitos congénitos, como para diagnóstico e acompanhamento dos defeitos adquiridos. Actualmente estão disponíveis diversos testes clínicos que podem ser aplicados no diagnóstico das discromatopsias, porém, é necessário conhecerem-se as vantagens de uns em relação aos outros, bem como a fiabilidade dos seus resultados, para que se possa seleccionar a melhor ferramenta de trabalho na hora de avaliar a visão das cores. Os testes de visão das cores são usados para os mais diversos fins, desde a simples triagem, passando pela diferenciação e qualificação do tipo de defeito até a orientação vocacional. De entre a diversidade de testes disponíveis no mercado para a avaliação dos defeitos cromáticos, só alguns permitem quantificar a severidade do defeito, sendo o teste das 100 tonalidades de Farnsworth Munsell (FM-100), o mais utilizado. Os defeitos adquiridos são melhor reproduzidos pelo teste de FM-100, mas na maioria das vezes, os resultados revelam um padrão pouco característico de defeito. Dada a grande dificuldade na diferenciação de discromatopsias congénitas de adquiridas, nos últimos tempos, várias propostas de análise de resultados têm sido apresentadas para a análise deste teste, como alternativas à análise convencional.
Peer review: yes
URI: http://hdl.handle.net/10400.6/980
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
T_M_Cláudia_Mota.pdf1,33 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote Degois 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.