Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/1177
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorCarvalho, Rute Carlos Vieira de-
dc.date.accessioned2013-05-16T14:42:15Z-
dc.date.available2013-05-16T14:42:15Z-
dc.date.issued2012-05-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.6/1177-
dc.description.abstractIntrodução: O Foramen Oval Patente é uma anomalia congénita com elevada prevalência na população geral (≈25%). Na maioria dos casos é um achado incidental sem necessidade de tratamento. Porém, esta patologia foi associada a inúmeras condições patológicas major, nomeadamente, embolia paradoxal, enxaqueca, síndrome de descompressão em mergulhadores e síndrome de platipneia-ortodoxa. Esta anomalia é mais prevalente em pacientes com história de acidente vascular cerebral de idade inferior a 50 anos e parece não haver influências da raça ou sexo. Apesar de numerosos estudos terem sugerido uma forte associação entre foramen oval patente e a incidência de acidente vascular cerebral criptogénico, uma correlação clara ainda não foi estabelecida. As técnicas ecocardiográficas continuam a ser o exame gold-standard para fazer o diagnóstico. Apesar de ter sido proposto que a presença de foramen oval patente predispõe à ocorrência de eventos vasculares cerebrais, as terapias de prevenção para eventos isquémicos nestes pacientes ainda não foram testadas adequadamente, tornando difíceis eventuais comparações com o tratamento invasivo. A eleição de terapia farmacológica ou encerramento percutâneo tem sido objeto de intenso debate ao longo dos últimos anos. Objetivo: Avaliar se o encerramento percutâneo deve ser considerado como modalidade terapêutica na abordagem do foramen oval patente. Métodos: Na elaboração desta revisão, efetuou-se uma pesquisa bibliográfica baseada em documentos da base de dados eletrónica: PubMed, B-on, OvidSP e Science Direct. Resultados: O tratamento permanece controverso e pode ser realizado com terapia farmacológica (antiagregantes plaquetares ou anticoagulantes), encerramento percutâneo ou encerramento cirúrgico. Conclusões: O encerramento percutâneo do foramen oval tem sido proposto como uma opção terapêutica vantajosa para pacientes sintomáticos. Todavia, as evidências atuais não são suficientemente robustas para indicar que a oclusão percutânea do foramen oval patente é um tratamento mais seguro e eficaz do que o uso de anticoagulantes ou antiagregantes, na prevenção de eventos recorrentes.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade da Beira Interiorpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectForamen oval patentepor
dc.subjectForamen oval patente - Encerramento percutâneopor
dc.subjectForamen oval patente - Encerramento cirúrgicopor
dc.subjectForamen oval patente - Terapia farmacológicapor
dc.titleEncerramento do foramen oval patente : risco ou mais-valia?por
dc.typemasterThesispor
degois.publication.locationCovilhãpor
dc.peerreviewedyespor
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
Encerramento do Foramen Oval Patente - risco ou mais-valia.pdf1,67 MBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.