Utilize este identificador para referenciar este registo: http://hdl.handle.net/10400.6/837
Registo completo
Campo DCValorIdioma
dc.contributor.authorOliveira, Hugo Manuel Pedrosa de-
dc.date.accessioned2012-12-12T17:39:40Z-
dc.date.available2012-12-12T17:39:40Z-
dc.date.issued2008-06-
dc.identifier.urihttp://hdl.handle.net/10400.6/837-
dc.description.abstractApesar de já existirem há vários anos, a popularidade das dietas hiperproteicas tem vindo a aumentar devido às proporções epidémicas da obesidade a nível mundial. Mesmo com o seu uso generalizado, existem preocupações válidas de que estas dietas possam induzir alteração clinicamente importantes a nível da função e da saúde renal. O uso destas dieta têm sido correlacionado com hiperfiltração glomerular e hiperemia, aceleração do declínio de doença renal crónica, aumento da proteinúria, da diurese, da natriurese e da kaliurese com alterações da tensão arterial associadas, com risco aumentado de litiase renal e com várias alterações metabólicas. As limitações relativas à evidência disponível neste campo prendem-se com: a ausência de uma definição universalmente aceite para dieta hiperproteica; a raridade de estudos em humanos a longo prazo, tendo os dados de serem retirados de estudos curtos e circunstanciais; e com os poucos estudos existentes relativos ao efeito de dietas hiperproteicas em indivíduos obesos. Para além disso, é provável que o impacto a curto prazo de uma dieta hiperproteica a nível renal seja diferente do impacto de um consumo crónico. Os riscos teóricos de uma dieta deste tipo devem ser sempre discutidos com que vai iniciar o regime hiperproteico, iato apesar de não existir nenhuma contra-indicação renal formal para o indivíduo sem doença renal subjacente. Por outro lado, estas dietas podem lesar seriamente o rim de um doente renal crónico e, neste caso,devem ser evitadas se possível. Devido a este risco, e porque a doença renal crónico é geralmente silenciosa, recomenda-se que todos os indivíduos que vão iniciar uma dieta hiperproteica façam o depiste pela medição da creatinina sérica e da proteinúria com tira de teste urinário.por
dc.language.isoporpor
dc.publisherUniversidade da Beira Interiorpor
dc.rightsopenAccesspor
dc.subjectDieta hiperproteicapor
dc.subjectDieta Hiperproteica - Função renalpor
dc.subjectDieta hiperproteica - Risco renalpor
dc.subjectProteinúriapor
dc.subjectNetrolitíasepor
dc.titleEfeitos de uma dieta hiperproteica a nível renalpor
dc.typemasterThesispor
degois.publication.locationCovilhãpor
dc.peerreviewedyespor
Aparece nas colecções:FCS - DCM | Dissertações de Mestrado e Teses de Doutoramento

Ficheiros deste registo:
Ficheiro Descrição TamanhoFormato 
1 - Capa.pdfCapa95,04 kBAdobe PDFVer/Abrir
2 - Contracapa.pdfContracapa30,35 kBAdobe PDFVer/Abrir
3 - Sumário.pdfSumário46,65 kBAdobe PDFVer/Abrir
4 - Abstract.pdfAbstract20,07 kBAdobe PDFVer/Abrir
5 - Agradecimentos.pdfAgradecimentos44,89 kBAdobe PDFVer/Abrir
6 - Índice.pdfÍndice44,23 kBAdobe PDFVer/Abrir
7 - Revisão da Literatura.pdfRevisão da literatura184,03 kBAdobe PDFVer/Abrir
8 - Bibliografia.pdfBibliografia83,24 kBAdobe PDFVer/Abrir


FacebookTwitterDeliciousLinkedInDiggGoogle BookmarksMySpace
Formato BibTex MendeleyEndnote 

Todos os registos no repositório estão protegidos por leis de copyright, com todos os direitos reservados.